Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/7197
Título: Ernesto de Martino: uma visão particular da cultura popular
Autor: Tabucchi, Teresa Marina de Lancastre
Palavras-chave: História
Classes Subalternas
Cultura Popular
Cultura Hegemónica
Data de Defesa: Set-2011
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: Singular e ecléctica figura de intelectual, Ernesto De Martino (1908-1965), considerado o fundador da moderna antropologia cultural italiana, foi antropólogo, histórico das religiões e folclorista. Embora a sua obra não seja ainda conhecida como mereceria fora de Itália e França, nos últimos anos começou a ter uma crescente atenção crítica internacional, e vários estudiosos têm-se empenhado em traduzi-la e divulgá-la nos seus próprios países. No renovado interesse que De Martino tem suscitado nos últimos anos, grande parte da atenção focaliza quer as suas escolhas temáticas, quer a abordagem teórica “eclética e criativa” das suas análises. Na sua abordagem à lamentação funerária, à magia De Martino mostra como as práticas mágicas baseadas em sistemas mítico-rituais estejam ligadas a formas de resistência dos camponeses face à miséria que impera nas suas vidas, porque, embora essas práticas continuem a perpetuar a sua condição de subalternidade, impedindo uma desejável tomada de consciência sócio-política, ao mesmo tempo fornecem ao indivíduo subalterno a ilusão de poderem controlar o seu próprio destino. São portanto práticas culturais que procuram organizar de forma positiva os eventos considerados negativos ou agressivos da vida e do universo. Por outro lado, tem-se sublinhado como a sua reflexão teórico-metodológica seja precursora de algumas temáticas e reflexões críticas importantes da antropologia contemporânea. Ao inaugurar no âmbito europeu uma análise dos factos culturais nos termos de sistemas simbólicos historicamente e socialmente diferenciados (as práticas simbólicas), isto é, utilizando um modelo interpretativo que privilegia as lógicas semânticas, introduziu, já nos anos cinquenta, a dimensão do poder e antecipou nesse sentido os modelos interpretativos post-estruturalistas que surgiram em França a partir da convergência entre antropologia e sociologia, modelos que redescobriam as afinidades fundamentais entre o exercício do poder e o controlo das práticas simbólicas.
Descrição: Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Antropologia - Área de especialização de Culturas em Cena e Turismo
URI: http://hdl.handle.net/10362/7197
Aparece nas colecções:FCSH: DA - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
tesi De Martino def2..pdf922,36 kBAdobe PDFVer/Abrir
ERRATA CORRIGE.pdf13,72 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.