Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/4955
Título: Mapas por microscopia de Raman caso de estudo: cerâmicas arqueológicas portuguesas da idade do ferro provenientes do Castro de Azougada
Autor: Niessen, Ana Marijke Alves
Orientador: Muralha, Vânia S. F.
Tissot, Matthias
Palavras-chave: Mapas por microscopia de Raman
Cerâmicas arqueológicas
Difracção de raios X
Castro da Azougada
Fluorescência de raios X
Data de Defesa: 2010
Editora: Faculdade de Ciências e Tecnologia
Resumo: A microscopia de Raman (µ-Raman) tem desempenhado um papel muito importante no estudo do património cultural, particularmente devido à sua índole não destrutiva. A aquisição de mapas de distribuição química por esta técnica espectroscópica apresenta escassos exemplos na área do património cultural. Neste sentido, o trabalho desenvolvido assentou na obtenção de mapas de exemplos de cerâmicas arqueológicas portuguesas da Idade do Ferro, que identificam a composição mineralógica das amostras e representam a distribuição dessa mesma composição. As cerâmicas arqueológicas portuguesas datadas da Idade do Ferro (inicio ca.600 a.C.), são provenientes da estação arqueológica de Castro da Azougada, e pertencentes ao acervo do Museu Nacional de Arqueologia. Como procedimento pouco usual compararam-se primeiro os resultados com a abordagem tradicional, por análises pontuais. Verificou-se que os mapas forneceram mais informação mineralógica do que a abordagem tradicional. Outro objectivo importante do trabalho desenvolvido foi pesquisar a hipótese de adquirir os mapas com as amostras in situ, ao invés de retirar microamostras. Esta situação seria deveras vantajosa no estudo do património cultural. No entanto, verificou-se que a informação obtida é menor devido à irregularidade das superfícies. Para complementar e validar os resultados obtidos com a microscopia de Raman recorreu-se à difracção de raios X (DRX), técnica que mais comummente se utiliza neste tipo de estudos. A informação obtida pelos mapas de µ-Raman foi superior à de DRX, com a vantagem de possibilitar a identificação de outras fases não cristalinas. No entanto com µ-Raman não foi possível detectar minerais argilosos e identificar minerais que permitem estimar a temperatura de cozedura. Com os dados obtidos por DRX inferiu-se que as temperaturas de cozimento situar-se-iam entre os 800 e os 1000ºC. Para a análise elementar utilizou-se a micro-espectroscopia por fluorescência de raios X de energia dispersiva (µ-FRX), obtendo-se teores de óxido de Si e Al elevados para todas as cerâmicas. Nas cerâmicas de engobe vermelho o teor de CaO e Fe2O3 são superiores, o primeiro devido à elevada presença de actinolite, um mineral da família das anfibolas, e o segundo devido à hematite presente no engobe.
Descrição: Dissertação de Mestrado em Conservação e Restauro área de Especialização de Cerâmica e Vidro
URI: http://hdl.handle.net/10362/4955
Aparece nas colecções:FCT: DCR - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Niessen.pdf7,57 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.