Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/14028
Título: Tipagem molecular de isolados clínicos e ambientais de Cryptococcus neoformans
Autor: SILVA, Inês Filipa Horta Pancada Lopes da
Orientador: MARTINS, Maria da Luz
INÁCIO, João
Palavras-chave: Biologia molecular
Micologia
Cryptococcus neo-farmans
Análise
Diagnóstico
Data de Defesa: 2010
Editora: Instituto de Higiene e Medicina Tropical
Resumo: As micoses estão incluídas entre as doenças infecciosas mais ubíquas em todo o mundo, afectando todos os estratos sociais e todos os grupos etários numa variedade de manifestações superficiais, cutâneas, subcutâneas e sistémicas. Um diagnóstico rápido e eficaz destas doenças, com uma correcta identificação da espécie fúngica responsável pela infecção, é essencial para um planeamento do tratamento mais eficaz para o doente infectado. Tem-se registado um aumento da incidência das infecções fúngicas também em consequência do aumento do número de casos de doentes imunodeprimidos, devido particularmente à crescente utilização de terapêuticas imunossupressivas, procedimentos médicos invasivos, prescrição de tratamentos prolongados, entre outros aspectos. O aparecimento da epidemia da Imunodeficiência Humana no início da década de 80, causada pelo vírus VIH, contribuiu também decisivamente para o aumento das infecções fúngicas oportunistas. A Criptococose é uma infecção fúngica, predominantemente oportunista e com uma distribuição epidemiológica mundial, causada por leveduras encapsuladas do género Cryptococcus. A espécie clinicamente mais relevante é Cryptococcus neoformans, cujas estirpes têm sido tradicionalmente classificadas em cinco serotipos relacionados com os antigénios da respectiva cápsula polissacárida: A (C. neoformans var. grubii); D (C. neoformans var. neoformans); B e C (actualmente reconhecidos como uma espécie distinta mas filogeneticamente próxima, C. gattii); e AD (estirpes híbridas). O presente trabalho teve como principal objectivo determinar retrospectivamente os tipos moleculares de uma colecção alargada de estirpes de C. neoformans, isoladas e mantidas durante os últimos 18 anos no Laboratório de Micologia do IHMT/UNL. A maioria das estirpes foi isolada de doentes imunodeprimidos com criptococose, existindo também algumas estirpes de origem ambiental. Foi utilizada a técnica de PCR-RFLP do gene URA5 para diferenciar as estirpes de Cryptococcus neoformans, tendo sido detectados quatro tipos moleculares: VN1 e VN2 (relacionados com C. neoformans var. grubii, serotipo A); VN3 (relacionado com as estirpes híbridas de serotipo AD); e VN4 (relacionado com C. neoformans var. neoformans, serotipo D). Não foram encontrados entre os isolados de origem clínica perfis de restrição correspondentes aos tipos moleculares VG1, VG2, VG3 e VG4 (relacionados com C. gattii, serotipos B e C). O tipo molecular VN1 foi o mais abundante entre os isolados de origem clínica (45% dos isolados), seguindo-se o grupo de 5 estirpes híbridas do tipo molecular VN3 (31%). Os tipos moleculares menos abundantes entre os isolados foram o VN2 (12%) e VN4 (12%). A estandardização do método de tipagem molecular utilizado neste trabalho permite comparar os resultados obtidos com os de outros estudos epidemiológicos semelhantes, realizados noutras regiões do globo e publicados em anos recentes, contribuindo para um conhecimento melhorado da epidemiologia global deste importante fungo patogénico. Em Portugal obteve-se uma percentagem mais elevada de isolados dos grupos moleculares VN1 e VN3 em relação a outros países da Europa e América Latina, em que os tipos mais abundantes são VN1 e VN2. Nestas mesmas regiões, o tipo molecular VN4, relacionado com as estirpes de C. neoformans var. neoformans do serotipo D, é muito raro. Esta variedade é mais comum em zonas mediterrâneas e está muito associada a casos clínicos de infecções cutâneas associadas a infecções do Sistema Nervoso Central. Este tipo molecular parece ser também significativamente mais abundante no nosso país.
Mycoses are amongst the infectious diseases that are very dangerous affecting all social status in several ways all over the world. These infectious diseases can be superficial, cutaneous, subcutaneous and invasive or systemic, spreading all over the body. A fast and efficient diagnosis of these diseases, including a correct identification of the respective etiological agents, is essential to plan the best treatment to be applied to the patients. An increase in the number of people infected by fungal infections is registered worldwide, as a consequence of an increase in the number of cases of immunocompromised patients and of immunosuppressive therapies, invasive medical procedures and prolonged prescribed treatments, among other aspects. The outcome of the human immunodeficiency epidemics at the beginning of the 80’s, caused by HIV, has also contributed to the increase of the occurrence of opportunistic mycoses. Cryptococcosis is a fungal infection caused by several species of Cryptococcus and presents a worldwide epidemiologic distribution. The most clinically relevant species is Cryptococcus neoformans, whose strains have been traditionally classified into five serotypes related with the antigens of the respective polysaccharide capsules: serotype A (C. neoformans var. grubii), D (C. neoformans var. neoformans); B and C (presently recognised as a distinct but closely related species, C. gattii); and AD (hybrid strains). The main objective of this work was to retrospectively determine the molecular types of a large group of C. neoformans strains that were isolated and maintained for the last 18 years in the Mycology lab of IHMT/UNL. Most of these strains were isolated from immunocompromised patients with Cryptococcosis. The PCR-RFLP of the URA5 gene was used to differentiate the strains. Four molecular types were detected among the isolates: VN1 and VN2 (related to C. neoformans var. grubii, serotype A); VN3 (related with hybrid strains of the serotype AD); and VN4 (related with C. neoformans var. neoformans, serotype D). Molecular types VG1, VG2, VG3 and VG4, related with C. gattii, were not found. VN1 was the most abundant molecular type among clinical isolates (45% of the isolates), followed by VN3 (31%) and VN2 and VN4, both corresponding to 12% of the clinical isolates. The standardized typing method used in this work allowed comparing our results with other recent epidemiological studies on the same subject. In Portugal we have found a greater percentage of C. neoformans molecular types VN1 and VN3 whilst in other European and Latin American countries the most abundant types were 7 VN1 and VN2. Type VN4 was also found to be more abundant in our country. This type seems to be common in Mediterranean areas and is associated to cutaneous manifestations of infections of the central nervous system.
URI: http://hdl.handle.net/10362/14028
Designação: Tese apresentada para a obtenção do grau de Mestre em Ciências Biomédicas, especialidade de Biologia Molecular em Medicina Tropical e Internacional
Aparece nas colecções:IHMT: MM - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
2011-06-17_TESE FINAL CORRIGIDA.pdfDissertação de Mestrado1,38 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.