Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/14007
Título: Leptospirose humana na Província da Huíla: rastreio serológico e molecular de doentes assistidos no Hospital Central Dr. António Agostinho Neto, Lubango (Angola)
Autor: NDEYANELAO, Elisa Graciana Estanislau
Orientador: VIEIRA, Maria Luísa
Palavras-chave: Microbiologia médica
Saúde pública
Leptospirose
Doença infecciosa
Diagnóstico
Angola
Data de Defesa: 2014
Resumo: A Leptospirose é uma doença infecciosa causada por bactérias patogénicas do género Leptospira. Ocorre sobretudo nos países em desenvolvimento, em regiões tropicais e subtropicais. Nos últimos anos tem-se tornado um problema emergente de Saúde Pública, afectando uma grande diversidade de mamíferos (hospedeiros), incluindo os humanos. Actualmente observa-se um aumento do número de casos com alterações do padrão epidemiológico, assim como o ressurgimento de surtos epidémicos devido a alterações climáticas. No entanto, devido aos sintomas inespecíficos, o diagnóstico clínico é confundível com outras doenças e o laboratorial é difícil e dispendioso, requerendo recursos e técnicos especializados. Em Angola (Lubango), o diagnóstico laboratorial não é praticado devido à indisponibilidade de testes específicos, resultando no desconhecimento da sua prevalência. Assim, de modo, a determinar a sero-ocorrência da Leptospirose humana em doentes febris assistidos no Hospital Central do Lubango, contribuindo para: i) a possível inclusão desta doença no diagnóstico diferencial de doentes com síndromes febris indeterminados; e ii) implementar medidas de prevenção e controlo. Foram analisadas 300 amostras séricas obtidas em igual número de doentes febris que recorreram ao referido hospital, no período de Setembro a Dezembro de 2012, aos quais também se aplicou um inquérito clínico-epidemiológico. Foi realizada uma avaliação serológica usando a técnica de rastreio (MACROLepto), e a técnica de referência (Técnica de Aglutinação Microscópica; TAM). Para a análise molecular usou-se a Reacção em Cadeia de Polimerase (PCR), em soro utilizando primers baseados no gene hap1 (para leptospiras patogénicas). Os produtos amplificados foram sequenciados para determinação de espécies genómicas de Leptospira. A amostra populacional foi constituída por indivíduos do género masculino (111; 37%) e (189; 63%) do género feminino. A suspeita clínica de Leptospirose foi confirmada serologicamente pela TAM em (120+/300; 40%) dos doentes, e a análise por PCR foi positiva em (30+/193; 16%) das amostras analisadas. A sequenciação do DNA obtido permitiu identificar três espécies genómicas: L. borgpetersenii, L. interrogans e L. kirschneri. Os participantes no estudo foram distribuídos por grupos etários, e a média de idade foi de 30 anos, sendo os grupos (11-20 e 21- 30 anos) os mais representados, e o género feminino o mais afectado (61%). As principais manifestações clínicas foram a febre (91%), cefaleias (84%) e mialgias (59%). Em relação as variáveis de risco de infecção por Leptospira spp., verificou-se que a ausência de saneamento básico, exposição aos lixos, presença de roedores próximos das populações e o consumo de água não tratada, foram as situações mais referidas. O contacto com os roedores, seguido dos canídeos, foi referido por 97% e 41% dos doentes com resultado positivo. Quanto à proveniência, a maioria dos doentes veio de áreas suburbanas. No que respeita à ocupação destacaram-se as mulheres camponesas, estudantes e domésticas. Os soros com resultado positivo mostraram reactividade específica para leptospiras de 19 serogrupos (serovares) com maior destaque, Icterohaemorrhagiae (Copenhageni), Hebdomadis, Javanica (Poi) Australis (Bratislava) e Sejroe (Hardjobovis). O título mais elevado foi de 1:800 observado para os serovares Copenhageni, Ballum (Arborea), Panama e Pyrogenes. Os resultados obtidos mostraram que a Leptospirose está presente entre os doentes febris na província da Huíla, sendo importante incluir esta zoonose no diagnóstico diferencial e promover medidas de prevenção e controlo, especialmente nos grupos de risco agora identificados.
Leptospirosis is an infectious disease caused by pathogenic bacteria of the genus Leptospira. It occurs mainly in developing countries in tropical and subtropical regions. In recent years it has become an emerging public health problem, affecting a wide variety of mammals (hosts), including humans. Presently, there is an increasing number of cases with different epidemiological pattern, as well as the reemergence of outbreaks due to climate changes. However, due to the nonspecific symptoms the clinical diagnosis is confused with other pathologies and the laboratory support is difficult and expensive, requiring resources and technical expertise. In Angola (Lubango), the laboratory diagnosis is not performed due to the unavailability of specific tests, which results in the lack of disease prevalence knowledge. Thus, in order to determine the serological and molecular of human leptospirosis ocurrence was in febrile patients attended at the Central Hospital of Lubango, contributing for: i) to include this pathology at the differential diagnosis of patients with undetermined febrile syndromes; and ii) to implement measures for prevention and control of epidemiological risk factors. We analyzed 300 serum samples obtained from an equivalent number of patients who were assisted at the hospital, from September to December 2012, and a clinical and epidemiological questionnaire was applied. Serological evaluation was performed, using a screening technique (MACROLepto) and the reference technique (Microscopic Agglutination Technique; MAT). Molecular analysis was done by Polymerase Chain Reaction (PCR), using the primers based on hap1 gene (for pathogenic leptospires). The amplified products were sequenced in order to determine the Leptospira genospecies. The sampling population consisted of male (111; 37%) and (189; 63%) female individuals. The clinical suspicion of leptospirosis was confirmed serologically by MAT in (120+/300; 40%) of patients, and PCR analysis was positive in (30+/193; 16%) of the samples. DNA sequencing allowed identify three genospecies: L. borgpetersenii, L. interrogans and L. kirschneri. The participants in the study were distributed by age groups, with a mean age of 30 years. The groups (11-20 e 21-30 years) was the most represented and the female gender the most affected. Fever (91%), headache (84%) and myalgia (59%), were the main clinical manifestations reported. Regarding to the variables for Leptospira infection, it was found that the lack of sanitation, exposure to waste, presence of rodents nearby populations and consumption of untreated water, were the situations more mentioned. Contact with rodents followed by canine was reported by 97% and 41%, of the positive patients. Regarding to the patient’s origin, the majority of them came from suburban areas. In terms of occupation, the highlights were the peasant women, students and the household. Serum samples with positive results showed specific reactivity against leptospires of 19 serogroups (serovars) namely, Icterohaemorrhagiae (Copenhageni), Hebdomadis, Javanica (Poi), Australis (Bratislava) and Sejroe (Hardjobovis). The highest titer of 1:800 was observed for Copenhageni, Ballum (Arborea) Panama and Pyrogenes serovars. These results showed that Leptospirosis is present among febrile patients in Huila province and it is important now, to include this zoonosis in the differential diagnosis and promote the prevention and control measures, especially for identified risk groups.
URI: http://hdl.handle.net/10362/14007
Aparece nas colecções:IHMT: MM - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese - Elsa, Janeiro 2014.pdfDissertação de Mestrado6,33 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.