Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/2666
Título: Análise estatística da sinistralidade laboral em dois sectores de actividade
Autor: Figueira, Sara Salgueiro
Orientador: Jacinto, Celeste
Data de Defesa: 2009
Editora: FCT - UNL
Resumo: Este trabalho é um alargamento de um estudo anterior (Jacinto et al, 2007) e efectua a análise da sinistralidade laboral em Portugal, em dois sectores de actividade económica: Indústrias Extractivas (sector C) e Indústrias da Madeira e da Cortiça e suas Obras (subsector DD), no período 2002-2006 (inclusivé). Para a análise são utilizados dados fornecidos pelo GEP(Gabinete de Estratégia e Planeamento) do Ministério do Trabalho e Solidariedade Social e oito variáveis cuja designação e classificação foram definidas pelo Projecto Europeu EEAT (Estatísticas Europeias de Acidentes de Trabalho), liderado pelo Eurostat (2001). Nesta tese começa-se por efectuar uma análise genérica, onde se identifica o “acidente típico”(acidente mais frequente) e se apresentam os principais indicadores dos dois sectores em estudo. Numa segunda fase, pretende-se estabelecer a diferença de padrões entre os acidentes mortais e não-mortais e tipificar os acidentes mais problemáticos através das pirâmides dos acidentes. São também caracterizados os mecanismos causa-efeito para os “acidentes típicos”, mortais e não-mortais, de cada sector através de dois testes estatísticos (coeficiente R e coeficiente Phi). Estas duas ferramentas metodológicas são aplicadas não só ao nível do sector global, mas também ao seu desdobramento por faixas etárias. Para o sector C (Indústrias Extractivas), os resultados obtidos neste e no estudo anterior não são, em geral, muito diferentes; a principal diferença observa-se na caracterização do“acidente típico” mortal. A análise do subsector DD (Madeira e Cortiça) constitui uma novidade relativamente ao anterior, porque é caracterizado pela primeira vez. O estudo das relações causa-efeito entre categorias de variáveis tem como objectivo a definição de estratégias prioritárias de prevenção. Para estabelecer essas relações, o coeficiente Phi foi aplicado pela primeira vez, o que constitui outra das novidades deste trabalho. Em ambos os sectores, os resultados obtidos pelos dois testes estatísticos não diferem entre si; no entanto, o coeficiente R é um teste de aplicação mais rápida e os limites da “força” das relações já estão pré-definidos, enquanto o coeficiente Phi implica um processo mais moroso e oferece maior liberdade na escolha dos limites da “força” das relações.
Descrição: Dissertação apresentada na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para obtenção do grau em Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial
URI: http://hdl.handle.net/10362/2666
Aparece nas colecções:FCT: DEMI - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Figueira_2009.pdf1,26 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.