Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/13013
Título: Argamassas de cal aérea e terra caulinítica. Caracterização física e química
Autor: Pimenta, Patrícia Cristina Mateus
Orientador: Faria, Paulina
Silva, António
Palavras-chave: Cal aérea
Terra argilosa
Ligante
Caracterização
Reboco
Reabilitação
Data de Defesa: 2014
Editora: Faculdade de Ciências e Tecnologia
Resumo: Actualmente, a maioria das construções antigas, principalmente as de terra, necessitam de intervenção e as argamassas são muito importantes na reabilitação de edifícios. A terra é um dos materiais de construção mais antigos e os vestígios arqueológicos mostram o seu uso em rebocos, desde as primeiras sociedades agrícolas. Em Portugal, a terra foi, muitas vezes, misturada com cal aérea para formular argamassas de terra e cal. Este tipo de argamassas era aplicado em construções em terra, por exemplo, em paredes de taipa. Apesar de hoje em dia se constatar um crescente interesse pelas argamassas de terra e em particular pelas argamassas mistas, é notória a ausência de conhecimento nesta aérea. É neste contexto que se torna particularmente importante a caracterização deste tipo de argamassas. Para tornar novamente a terra um material de construção, em especial na sua utilização em argamassas compatíveis com alvenaria de terra ou pedra, é necessário optimizar e caracterizar estas argamassas. No presente estudo, caracterizam-se argamassas de cal aérea e de terra argilosa, a nível físico e a nível químico, no estado endurecido, com 90 dias e 1 ano de idade de cura. As argamassas têm um traço volumétrico de 1:2 (ligante: agregado) com a substituição parcial do ligante (cal aérea) por uma terra argilosa caulinítica. A substituição foi gradual: 10%, 25% e 50% de terra. Para além dos provetes prismáticos, foram ensaiadas argamassas aplicadas sobre suporte de tijolo e em sistema de reboco num murete de taipa. Pela análise de resultados, nomeadamente da evolução do comportamento das argamassas com a idade de cura, constata-se que as argamassas com terra (em geral 25%) melhoram o comportamento face à presença de água, para além das vantagens ambientais que apresentam comparativamente com as argamassas só de cal aérea. Em oposição, verificou-se, ao longo do tempo, uma diminuição da resistência mecânica com o aumento da quantidade de terra introduzido, não comprometendo contudo a utilização das argamassas.
Descrição: Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Civil – Perfil Construção
URI: http://hdl.handle.net/10362/13013
Aparece nas colecções:FCT: DEC - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Pimenta_2014.pdf7,54 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.