Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/9676
Título: A implantação do automóvel em Portugal (1895-1910)
Autor: Rodrigues, José Carlos Barros
Orientador: Diogo, Maria Paula
Palavras-chave: Automóvel
Indústria automóvel
Comércio automóvel
Turismo
Transportes
Desporto automóvel
Data de Defesa: 2012
Editora: Faculdade de Ciências e Tecnologia
Resumo: A presente investigação tem como objectivo perceber de que forma o automóvel foi introduzido em Portugal, primeiro como objecto técnico e, posteriormente, como parte de um sistema técnico emergente. O período em análise vai de 1895, altura em que se verificou a importação do primeiro veículo equipado com motor a explosão, até 1910, ano da revolução republicana, evento que consideramos relevante para o desenvolvimento futuro do automóvel no nosso país. Faz-se, em primeiro lugar, uma contextualização do nascimento da indústria automóvel europeia, investigando não só os pontos considerados fundamentais para a consolidação desta actividade (veículos hipomóveis, motores a explosão estacionários e as bicicletas), mas também outras contribuições tecnológicas, como o avanço na produção do aço, a evolução na destilação do petróleo ou, ainda, o incremento da ciência da soldadura. O estudo da “automobilidade” em Portugal contempla a inventariação dos primeiros automóveis importados para o nosso país, ainda sem a matriz moderna da cadeia de valor da distribuição, a construção identitária do automobilista português, que se forjou, largamente, na fundação do Real Automóvel Clube, a evolução deste sistema técnico e o desenvolvimento de uma nova matriz tecno-cultural nas áreas do urbanismo, do desporto e do turismo. Os aspectos emergentes da indústria automóvel e dos transportes também são problematizados, tentando perceber-se o papel de cada um dos actores intervenientes, as suas opções e as suas agendas. Finalmente, procura-se mostrar que o posicionamento republicano face ao automóvel, menorizando o seu estatuto e a importância da sua afirmação no país, radica no facto do automóvel, pela ligação inicial à elite aristocrática e capitalista do regime monárquico,ser entendido não como um artefacto técnico “ideologicamente neutro”, mas sim como um objecto e um sistema com forte carga política. Por outro lado, este trabalho é parte de um projecto mais ambicioso e abrangente, que pretende compreender de que modo a ciência e a tecnologia, bem como os seus principais actores, reagem e se ajustam, num contexto periférico. Quando comparamos o caso português com as principais referências europeias, como a França ou a Alemanha, nas diferentes vertentes do sistema técnico do automóvel, constata-se o carácter periférico do nosso país; contudo, se afinarmos a análise ao espaço da Península Ibérica, é possível concluir que o nosso país esteve genericamente em linha com o país vizinho, salvo na questão da indústria automóvel. Podemos, pois, afirmar que, no que respeita ao automóvel e para o final do século XIX e primeiro quartel do século XX, o ponto crítico de desfasamento de Portugal com os sistemas técnicos europeu e peninsular não está, maioritariamente, nos padrões de consumo, mas sim no nível da produção, com a ausência de uma indústria automóvel nacional que, verdadeiramente, nunca chegou a existir.
Descrição: Dissertação para obtenção do Grau de Doutor em História, Filosofia e Património da Ciência e da Tecnologia
URI: http://hdl.handle.net/10362/9676
Aparece nas colecções:FCT: DCSA - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Rodrigues_2012.pdf47,5 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.