Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/7541
Título: Os Espelhos da Vanitas: a dinâmica reflexiva e a crítica da representação na filosofia e na pintura do século XVII
Autor: Fonseca, Nuno Sérgio Machado da
Palavras-chave: Representação
Ideia
Reflexividade
Percepção
Representação pictórica
Vanitas,
Auto-Representação
Cepticismo
Data de Defesa: Jul-2012
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: Esta tese ocupa-se da noção de representação, no âmbito do pensamento do século XVII. Partiu de duas hipóteses cruzadas: 1) que a noção de representação tem uma dinâmica reflexiva que é imanente ao acto de representar, a qual implica, por isso, uma representação desse acto, ou seja, uma auto-representação; 2) que é possível estabelecer uma analogia profícua entre a representação mental e a representação pictórica, como elas foram entendidas no discurso filosófico e na prática pictórica do século XVII, e que essa analogia ilumina a natureza e as propriedades da noção de representação. Numa primeira parte, a tese procura caracterizar os elementos principais daquilo a que pode chamar-se de paradigma representativo na filosofia e na pintura do século XVII. Essa caracterização faz-se a partir da «Lógica» de Port-Royal, cuja primeira parte se identifica com uma lógica ou, em rigor, com uma epistemologia da ideia, noção ambígua mas que é a sede conceptual de uma teoria do conhecimento representacionista. Os traços do sistema clássico da representação revelados por uma “teoria do signo representativo”, na «Lógica», podem ser complementados pela interpretação arnaldiana de uma teoria da percepção, explicitada na polémica das ideias entre Arnauld e Malebranche, que confirma, ao mesmo tempo, o sentido e o alcance da representatividade do pensamento na epistemologia cartesiana. Por outro lado, a troca epistolar entre Arnauld e Leibniz sobre a noção de “expressão” permite uma interpretação alternativa dessa representatividade do pensamento, reiterando, no entanto, a dinâmica reflexiva do acto de representar, que é próprio da natureza da substância individual. Num segundo momento dessa caracterização, é possível fazer uma aproximação entre o discurso filosófico e a prática artística no que respeita às suas teorias da percepção – a teoria da visão de Kepler, a Dióptrica de Descartes e as catóptricas de Mersenne e Nicéron – e às práticas da representação – a representação em perspectiva linear frontal e anamorfótica.
Descrição: Tese apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Doutor em Filosofia, especialidade de Filosofia do conhecimento e Epistemologia
URI: http://hdl.handle.net/10362/7541
Aparece nas colecções:FCSH: DF - Teses de Doutoramento



FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.