Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/7467
Título: Imagem, percepção e expressão. A estética em Wittgenstein
Autor: Crespo, Nuno Alexandre Coimbra
Palavras-chave: Aspecto
Contemplação
Expressão
Facto
Imagem
Estética
Mundo
Obra de arte
Percepção
Poesia
Representação
Regra
Sentimento
Valor
Visão
Data de Defesa: Jun-2012
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: Neste estudo pretendeu-se, fundamentalmente, identificar os contornos que o conceito de estética possui no pensamento de Wittgenstein. Essa identificação ou fisionomia, foi feita através de um percurso que se traçou entre a primeira, e única, obra publicada pelo filósofo, o Tratactus Logico-Philosophicus, e aquela que é considerada a sua última obra, as Investigações Filosóficas. Nestes dois textos o conceito de estética nunca é abordado directamente, surge sempre a propósito de outros problemas e conceitos que Wittgenstein está a discutir. Dessa forma, foi-se guiado pelos conceitos de imagem [Bild], percepção [Bemerken] e expressão [Ausdruck], que de algum modo permanecem, mesmo que sujeitos a novas compreensões e determinações, no pensamento do filósofo, para fazer o levantamento do problema filosófico e conceptual que está presente quando Wittgenstein se refere à estética. A investigação daqueles conceitos permitiu detectar e identificar que apesar das grandes mutações no pensamento e método de Wittgenstein (a transformação da lógica em gramática, da imagem em aspecto, da representação em percepção, do eu em nós ou forma de vida) a estética, e de certo modo a ética que Wittgenstein no Tratactus identifica com a estética [sind Eins], permanece um elemento pertinente e central para o todo da sua filosofia. Se aqueles três conceitos foram o objecto deste estudo, o seu mote foi dado por três afirmações de Wittgenstein as quais se tentou compreender, esclarecer e integrar na sua compreensão da actividade da filosofia e da natureza do problema filosófico: 1) a estranha semelhança entre uma investigação filosófica e uma investigação estética (CV, MS 112 56: 1937); 2) a Wittgenstein só as questões conceptuais e estéticas, por oposição às questões científicas, o agarram (CV, MS 138 5b: 21.1.1949); e, finalmente, 3) o resumo que Wittgenstein faz da sua posição relativamente à filosofia dizendo “a filosofia só deveria poder ser poesia” (CV, MS 146 35v: 1933-1934). O resultado deste itinerário pelo pensamento wittgensteiniano permite concluir que os problemas estéticos, problemas que surgem por ocasião da experiência da arte, são pertinentes de um ponto de vista filosófico por dizerem respeito à forma como se vê o mundo, os outros homens, e a linguagem, e à expressão dessa visão e compreensão. Por isso, a poesia entendida, tal como a filosofia, enquanto actividade (poiesis), surge, no final, como matriz e modelo da filosofia. Uma matriz que assume a forma de uma disposição [Stimmung] que atravessa a escrita e pensamento de Wittgenstein e que diz respeito não só ao modo próprio da composição da prosa filosófica, mas, igualmente, à disciplina da visão, da percepção e da vontade. Uma disciplina da qual, segundo Wittgenstein, depende o sucesso da actividade filosófica e que se expressa numa mudança de atitude e na cura de certas patologias expressivas e conceptuais.
Descrição: Dissertação de Doutoramento em Filosofia
URI: http://hdl.handle.net/10362/7467
Aparece nas colecções:FCSH: DF - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
nuno.pdf3,11 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.