Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/6287
Title: Estética e ética em Kierkegaard e Pessoa
Author: Silva, Luís de Oliveira e
Issue Date: 1988
Publisher: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Abstract: O predomínio racíonalísta do criticismo e a prioridade concedida à epistemología provocaram, a partir dos primeiros românticos, uma reacção de cunho vitalista que afirmava e defendia os elementos espirituais (vontade e sentimento) que a filosofia do Iluminismo destacara insuficientemente. O sentimento, porção subjectiva do espírito incapaz de desempenhar funções estritamente cognitivas, penetra a razão. A partir de então, numa linha que nos leva até Níetzsche, Scheler, Heidegger, Jaspers, e Sartre, o sentimento (Gefühl) animará a teoria. Sõren Aabye Kierkegaard (1813 - 55) é o representante máximo da cultura do sentimento. Não persegue a verdade abstracta, objectiva, dos filósofos sistemáticos. Vive, pelo contrário, num estado permanente de problematização subjectiva. O único critério de verdade que aceita é a convicção íntima. A subjectividade, com todas as suas contradições dilacerantes, é a verdade. Kierkegaard encara a vida como conjunção disjuntiva, como opção entre dois termos (Enten ... Eller) que a lógica, inclusive a dialéctica hegelíana, não poderá unir numa síntese.
Description: pp. 261-272
URI: http://hdl.handle.net/10362/6287
ISSN: 0871-2778
Appears in Collections:Revista da FCSH -1988

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
RFCSH2_261_272.pdf7,17 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.