Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/5930
Título: Programação cultural enquanto exercício do poder
Autor: Lopes, Eliana Raquel Silva Ramalho
Orientador: Miranda, José A. Bragança de
Palavras-chave: Cultura
Arte
Poder
Política
Programação
Crítica
Tecnologia
Data de Defesa: Mai-2010
Editora: Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
Resumo: A programação é uma metáfora do poder, cujas relações de possibilidades vamos explorar sempre no cruzamento com a cultura. Os conceitos de Cultura e Poder, na sua longa evolução, deram origem ao programador cultural, cuja missão e tarefas foram desenvolvidas em Portugal nas últimas décadas. Para este facto concorreu a multiplicação dos locais de actividade artística através da recuperação e construção de teatros. Na nossa perspectiva, os programadores serão confrontados com a necessidade de redefinirem o seu espaço de acção. Encontramo-nos perante a alteração de um dos elementos perenes da programação cultural: o controlo do espaço, do momento e das condições da representação artística por via da tecnologia. Atentaremos ao processo provocado pela emergência de uma nova forma de representação sem local, no ecrã do computador, em contraponto com as entidades formalmente instituídas para o encontro artístico – os teatros e os museus. O estudo tem uma dimensão prática que consiste na realização de 15 entrevistas a directores artísticos de teatros e museus de todo o país e ao director-geral das Artes.
Descrição: Dissertação de Doutoramento em Ciências da Comunicação
URI: http://hdl.handle.net/10362/5930
Aparece nas colecções:FCSH: DCC - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Programacao_Cultural_Enquanto_Exercicio_De_Poder.pdf2,94 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.