Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/16632
Título: Custos indirectos associados à obesidade em Portugal
Outros títulos: Productivity costs associated with obesity in Portugal
Autor: Pereira, João
Mateus, Céu
Palavras-chave: Economia da saúde
Obesidade
Custos
Avaliação económica de programas
Portugal
Data: 2003
Editora: Escola Nacional de Saúde Pública. Universidade NOVA de Lisboa
Resumo: RESUMO - A obesidade constitui um importante problema de saúde pública com consequências económicas de grande dimensão. Os obesos têm um risco acrescido de contrair doenças e de sofrer morte prematura devido a problemas como a diabetes, hipertensão arterial, AVC, insuficiência cardíaca e algumas neoplasias malignas. O presente estudo tem como objectivo estimar o custo económico indirecto (valor da produção perdida) associado à obesidade em Portugal no ano de 2002. O estudo adopta uma abordagem tipo custos da doença baseada na prevalência. Os dados são retirados do Inquérito Nacional de Saúde e estatísticas de rotina publicadas pelo INE e por outros organismos oficiais. Consideram-se como obesas pessoas com índice de massa corporal (IMC) ≥ 30 kg/m2 e estabelecem-se como limites etários para participação em actividades económicas produtivas as idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos. A estratégia de imputação de custos ao factor de risco obesidade caracteriza- se por estimar, para a população portuguesa, as proporções de doença e morte prematura atribuíveis à obesidade e em multiplicar as estimativas populacionais encontradas pelo valor da produtividade económica potencial das pessoas afectadas. O custo indirecto total da obesidade em Portugal no ano de 2002 foi estimado em 199,8 milhões de euros. A mortalidade contribuiu com 58,4% deste valor (117 milhões de euros) e a morbilidade com 41,6% (83 milhões de euros). Os custos da morbilidade advêm de mais de 1,6 milhões de dias de incapacidade anuais, principalmente por faltas ao trabalho associadas a doenças do sistema circulatório e diabetes tipo II. Os custos da mortalidade são o resultado de 18 733 potenciais anos de vida activa perdidos, numa razão de 3 mortes masculinas por cada morte feminina. Os resultados indicam que a obesidade acarreta consideráveis perdas económicas para o país. Comparando os resultados com um estudo complementar que calculou os custos directos (em cuidados de saúde) da obesidade, verifica-se que a componente indirecta representa 40,2% do total dos custos da obesidade. A implementação de estratégias que prevenissem ou reduzissem a incidência e prevalência de obesidade em Portugal poderia gerar ganhos de produtividade elevados. Para conhecer a dimensão destes ganhos é necessária mais investigação sobre os benefícios clínicos e relação custo-efectividade de estratégias para a redução da obesidade.
ABSTRACT - Obesity is a major public health problem with significant economic consequences. Obese persons have an increased risk of morbidity and premature death from diseases such as diabetes type 2, cardiovascular disease and gallbladder disease. The article estimates the productivity costs (indirect costs) of illness and premature death associated with obesity in Portugal for the year 2002. A prevalence-based cost of illness approach is adopted. Data are drawn from the National Health Interview Survey and the National Statistical Institute’s data-base on demographic and mortality events. Obesity is defined as BMI ≥ 30 kg/m2 and the age limits for labour force participation are taken to be 15 and 64 years. The imputation of events to the risk factor obesity is based on national prevalence rates for morbidity and mortality and relative risks drawn from large-scale prospective international studies. A human capital approach is adopted for calculating indirect costs. In contrast to previous studies in the international literature costs are measured directly from survey and mortality data. Total productivity costs of obesity in Portugal in 2002 are estimated as € 199.8 million. Premature mortality accounts for 58.4% and morbidity for 41.6% of productivity costs. Morbidity costs are the result of 1.6 million annual disability days, mainly due to absence from work due to circulatory system and diabetes type 2 problems. Mortality costs are the result of 18,733 potential years of life lost, with a ratio of 3:1 of male to female deaths. Obesity imposes a considerable economic burden on the Portuguese economy. Comparing the results with a complementary study on the direct (health care) costs of obesity in Portugal, indicates that the indirect component represents 40.2% of total costs. Preventive and therapeutic strategies that reduce obesity prevalence can potentially bring about significant productivity gains. Further research is needed to evaluate the clinical benefits and cost-effectiveness of obesity control strategies.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10362/16632
ISSN: 0870-9025
Aparece nas colecções:ENSP: PC - Artigos em revistas científicas nacionais com arbitragem científica

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RUN - RPSP - 2003 - V. Tematico n3 a06 - p.65-80.pdf133,91 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.