Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/14182
Título: Epidemiologia da insónia em adolescentes : do diagnóstico de situação à intervenção
Autor: Amaral, Maria Odete Pereira
Orientador: Sakellarides, Constantino Theodor
Serpa, Carla do Rosário Delgado Nunes de
Pereira, Carlos Manuel de Figueiredo
Palavras-chave: Problemas do sono
Insónia
Sintomas de insónia
Adolescentes
Epidemiologia
Sleep disorders
Insomnia
Insomnia symptoms
Adolescents
Epidemiology
Data de Defesa: 2013
Resumo: RESUMO - Introdução: Os problemas do sono, designadamente a insónia, os sintomas de insónia, os padrões de sono inadequados e a sonolência diurna, são frequentes na adolescência. Estes problemas estão frequentemente associados a múltiplos fatores, entre os quais estilos de vida e fatores ambientais, e apresentam consequências significativas na vida do adolescente e posteriormente na idade adulta. O sono e as suas perturbações deveriam constituir uma preocupação para os profissionais da saúde e da educação com o objetivo de tornar os hábitos de sono saudáveis num estilo de vida - com benefícios calculáveis como os associados a outros estilos de vida saudáveis (alimentação e exercício físico). Em Portugal, os estudos sobre problemas do sono em adolescentes são escassos, bem como as intervenções individuais e comunitárias no âmbito da higiene do sono. Os objetivos desta investigação foram estimar a prevalência de insónia e de sintomas de insónia em adolescentes, identificar fatores de risco e protetores dos sintomas de insónia, analisar as repercussões dos sintomas de insónia, caracterizar os padrões de sono dos adolescentes do distrito de Viseu e elaborar uma proposta de intervenção destinada à promoção da higiene do sono adaptada às características dos adolescentes do distrito de Viseu. Métodos: Realizou-se um estudo transversal onde se avaliaram alunos de vinte e seis escolas públicas do terceiro ciclo e secundário do distrito de Viseu, durante ano letivo 2011/2012. A recolha dos dados foi efetuada através de um questionário autoaplicado e respondido pelos alunos em sala de aula. Foram considerados elegíveis para participar no estudo todos os alunos que frequentassem entre o 7.º e o 12.º ano de escolaridade e tivessem idades entre os 12 e os 18 anos. Dos 9237 questionários distribuídos recolheu-se 7581 (82,1%). Foram excluídos da análise os questionários relativos a adolescentes com idade inferior a 12 ou superior a 18 anos e os questionários devolvidos por preencher. A amostra global foi constituída por 6919 adolescentes, sendo 3668 (53,2%) do sexo feminino. A insónia foi definida com base na presença, no mês prévio, dos sintomas de insónia definidos nos critérios do DSM-IV (dificuldade em adormecer, dificuldade em manter o sono, acordar muito cedo e ter dificuldade em voltar a adormecer e sono não reparador) com uma frequência de pelo menos três vezes por semana e associados a consequências no dia-a-dia. A qualidade de vida foi avaliada com recurso à escala de qualidade de vida SF-36; a sintomatologia depressiva através do Inventário de Depressão de Beck para adolescentes (BDI-II) e a sonolência diurna utilizando a Escala de Sonolência de Epworth (ESE). Para responder ao último objetivo foi elaborada uma proposta de intervenção individual e comunitária no âmbito da higiene do sono. A proposta resulta da evidência científica, dos resultados da presente investigação e de reuniões com profissionais da saúde e da educação. Resultados: No total da amostra, a prevalência de insónia foi de 8,3% e de sintomas de insónia foi de 21,4%. A prevalência de insónia foi superior no sexo feminino (10,1% vs. 5,9%; p<0,001) assim como a prevalência de sintomas de insónia (25,6% vs. 15,8%; p<0,001). Individualmente, todos os sintomas foram mais prevalentes no sexo feminino, sendo a diferença estatisticamente significativa (p<0,001). Em média os adolescentes dormiam, durante a semana, 8:04±1:13 horas. A prevalência de sono insuficiente (< 8 horas) foi de 29%. Apenas 6,4% dos adolescentes indicaram que se deitavam todas as noites à mesma hora. A prevalência de sintomatologia depressiva foi de 20,9% (26,0% nas raparigas e 15,1% nos rapazes, p<0,001). A prevalência de sonolência diurna foi de 33,1%, apresentando o sexo feminino um risco superior (OR=1,40; IC95%: 1,27-1,55). A prevalência de sintomatologia depressiva e de sonolência diurna foi superior entre os adolescentes com sintomas de insónia (48,2% vs. 18,8%, p<0,001 e 42,4% vs. 33,0%, p<0,001, respetivamente). Os adolescentes com sintomas de insónia apresentavam igualmente pior qualidade de vida. Em relação a outras repercussões no dia-a-dia, foram os adolescentes com sintomas de insónia que referiam mais vezes sentir dificuldade em levantar-se de manhã, acordar com cefaleias, acordar cansado e recorrer a medicação para dormir. Nos rapazes os sintomas de insónia associaram-se com o IMC. Após o ajustamento para o sexo e idade com recurso à regressão logística verificou-se uma associação entre sintomas de insónia e sexo feminino [OR ajustado(idade)= 1,82; IC95%: 1,56-2,13], idade ≥16 anos [OR ajustado(sexo)= 1,17; IC95%: 1,01-1,35], residência urbana (OR ajustado= 1,30; IC95%: 1,04-1,63), consumo de café (OR ajustado= 1,40; IC95%: 1,20-1,63), consumo de bebidas alcoólicas (OR ajustado= 1,21; IC95%: 1,03-1,41) e sintomatologia depressiva (OR ajustado= 3,59; IC95%: 3,04-4,24). Quanto à escolaridade dos pais, verificou-se uma redução do risco com o aumento da escolaridade dos pais (5º-6º ano OR ajustado= 0,82; IC95%: 0,64- 1,05; 7º-12º ano OR ajustado= 0,77; IC95%: 0,61-0,97; >12º ano OR ajustado= 0,64; IC95%: 0,47-0,87). Após uma análise multivariada, o modelo preditivo para a ocorrência de sintomas de insónia incluiu as variáveis sexo feminino, viver em meio urbano, consumir café e apresentar sintomatologia depressiva. Este modelo apresenta uma especificidade de 84,2% e uma sensibilidade de 63,6%. O sono insuficiente associou-se, após ajuste para o sexo e idade, com o ano de escolaridade, estado civil dos pais, determinados estilos de vida (consumo de café, tabagismo, consumo de álcool, consumo de outras drogas, sair à noite, presença de TV no quarto e número de horas despendido a ver televisão e no computador), latência do sono, sesta > 30 minutos, horários de sono irregulares e com a toma de medicamentos para dormir. Os resultados deste estudo constituem um diagnóstico de situação relativamente aos problemas de sono em adolescentes no distrito de Viseu. Tendo por base os princípios da Carta de Ottawa relativamente à promoção da saúde, a proposta elaborada visa a implementação de estratégias de prevenção agrupadas em intervenções individuais, comunitárias e sobre os planos curriculares. As intervenções baseiam-se na utilização das tecnologias da informação e comunicação, no contexto da nova arquitetura na esfera pública da saúde conducente aos sistemas personalizados de informação em saúde (SPIS). Conclusões: Registou-se uma elevada prevalência de insónia e sintomas de insónia entre os adolescentes do distrito de Viseu, superior no sexo feminino. A presença de sintomas de insónia esteve associada, sobretudo, a determinados estilos de vida e à ausência de higiene do sono. Os problemas de sono em adolescentes, devido à sua frequência e repercussões, devem constituir uma preocupação em termos de saúde pública e constituir uma prioridade nas estratégias de educação para a saúde. Os 9 princípios da intervenção delineada visam uma abordagem preventiva de problemas de sono - através da ação conjunta de profissionais da saúde e da educação, de elementos da comunidade e com o indispensável envolvimento dos adolescentes e da família -, procurando instituir os hábitos de sono saudáveis como um estilo de vida.
ABSTRACT - Introduction: Sleep disorders, namely insomnia, insomnia symptoms, inadequate sleep patterns and daytime sleepiness, are frequent in adolescents. These problems are frequently associated to various factors, among which lifestyle and environmental factors, and present substantial consequences during adolescence and adulthood. Sleep and sleep disorders should be a constant concern for health and education professionals with the objective of building healthy sleep habits into a life style – with measurable benefits as those associated to other healthy life styles (diet and physical activity). In Portugal there is little investigation on sleep disorders among adolescents, as well as rare individual or community interventions on sleep hygiene. The objectives of this investigation were to estimate the prevalence of insomnia and insomnia symptoms among adolescents, identify risk and protective factors for insomnia symptoms, examine the repercussions of insomnia symptoms, characterize sleep patterns among adolescents from the district of Viseu and elaborate a proposal of intervention for the promotion of sleep hygiene adjusted to the characteristics of the adolescents of the district of Viseu. Methods: We carried out a cross-sectional study evaluating students from twenty-six public secondary schools from the district of Viseu during 2011-2012 academic year. Data gathering was done using a self-applied questionnaire answered by the students in the classroom. All students from the 7th to the 12th grade and aged 12 to 18 years were eligible. From 9237 questionnaires distributed we collected 7581 (82.1%). All unfilled questionnaires and those from students younger than 12 years old or older than 18 years old were excluded from analysis. The final sample was made of 6919 adolescents, of which 3668 (53.2%) were females. Insomnia was defined based on the presence, on the preceding month, of insomnia symptoms as defined by DSM-IV criteria (difficulty initiating sleep, difficulty maintaining sleep, early morning awakening and non-restoring sleep) at least three times per week and resulting in daily life consequences. Quality of life was evaluated with the quality of life health survey SF-36, depressive symptomatology with Beck’s Depression Inventory for adolescents (BDI-II) and daytime sleepiness with the Epworth Sleepiness Scale. To accomplish the final objective we elaborated a proposal for an individual and communitarian intervention regarding sleep hygiene. This proposal derives from scientific evidence, the results of our investigation and meetings with health and education professionals. Results: The prevalence of insomnia in the whole sample was 8.3% and the prevalence of insomnia symptoms was 21.4%. The prevalence of insomnia was superior in females (10.1% vs. 5,9%; p<0.001) as was the prevalence of symptoms of insomnia (25.6% vs. 15.8%; p<0.001). Each of the symptoms was more prevalent in the female sex, with statistical significance (p<0,001). Average sleep time, on weeknights, was 8:04±1:13 hours. The prevalence of insufficient sleep (< 8h) was 29%. Only 6.4% of adolescents conveyed having a regular timetable to go to bed. The prevalence of depressive symptomatology was 20.9% (26.0% in girls and 15.1% in boys, p<0.001). The prevalence of daytime sleepiness was 33.1%, with a superior risk in the female sex (OR= 1.40; CI95%: 1.27-1.55). Both the prevalence of depressive symptomatology and daytime sleepiness were superior in adolescents with insomnia symptoms (48.2% vs. 18.8%, p<0,001 and 42.4% vs. 33.0%, p<0,001, respectively). Adolescents with insomnia symptoms also experienced a lower quality of life. Concerning other daily life repercussions, adolescents with symptoms of insomnia were more prone to complain of difficulty getting up in the morning, waking up with headache, waking up feeling tired and consuming sleeping pills. Symptoms of insomnia were associated with BMI in males. After adjustment for sex and age with logistic regression it became evident the association of insomnia and female sex [adjusted(sex) OR= 1.82; CI95%: 1.56-2.13], age ≥16 years [adjusted(age) OR= 1.17; CI95%: 1.01-1.35], urban residence (adjusted OR= 1.30; CI95%: 1.04-1.63), coffee consumption (adjusted OR= 1.40; CI95%: 1.20-1.63), alcohol consumption (adjusted OR= 1.21; CI95%: 1.03-1.41) and depressive symptomatology (adjusted OR= 3.59; CI95%: 3.04-4.24). Regarding parents scholarship there was a risk reduction with increasing academic degree (5th-6th grade adjusted OR= 0.82; CI95%: 0.64-1.05; 7th-12th grade adjusted OR= 0.77; CI95%: 0.61- 0.97; >12th grade adjusted OR= 0.64; CI95%: 0.47-0.87). After multivariate analysis, the predictive model for the occurrence of insomnia symptoms included the variables female sex, urban residence, coffee consumption and presence of depressive symptoms. This model presents an 84.2% specificity and 63.6% sensitivity. For insufficient sleep, after adjustment for sex and age there was an association with school grade, parent’s marital status, certain lifestyles (coffee consumption, smoking, alcohol consumption, illicit drugs consumption, nightlife, TV in the bedroom and time spent watching TV or using a computer), sleep latency, naps > 30 minutes, irregular bedtime and taking medications to sleep. This study’s results establish a situational diagnosis of sleep disturbances among adolescents in the district of Viseu. Based on the principles of The Ottawa Charter for Health Promotion, a proposal was developed aiming to implement prevention strategies grouped in individual, communitarian and curricular programs interventions. Interventions are based on the use of information and communication technologies. As such, these interventions will participate in the architecture of public health leading to personally controlled health records (PCHR). Conclusions: A high prevalence of insomnia and insomnia symptoms was disclosed among adolescents in the district of Viseu. These prevalences were higher in the female sex. Insomnia symptoms were mainly associated with particular lifestyles and lack of sleep hygiene. Sleep disorders among adolescents, due to their frequency and deleterious effects, must represent a public health concern and a priority in education for health strategies. The objective of the 9 principles of the outlined intervention is to prevent sleep disorders – through the combined action of health and education professionals, community partners and the obligatory involvement of adolescents and families-, establishing healthy sleep routines as a lifestyle.
URI: http://hdl.handle.net/10362/14182
Designação: Doutoramento em Saúde Pública, na especialidade de Promoção da Saúde
Aparece nas colecções:ENSP: PPS - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RUN - Tese de Doutoramento - Maria Odete Amaral.pdf4,68 MBAdobe PDFVer/Abrir
RUN - Tese de Doutoramento - Maria Odete Amaral - Anexo 4.pdf519,36 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.