Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/11322
Título: A mobilidade automóvel em Portugal. A construção do sistema socio-técnico, 1920-1950
Autor: Sousa, Maria Luísa de Castro Coelho de Oliveira e
Orientador: Diogo, Maria Paula
Lavenir, Catherine
Palavras-chave: Sistema socio-técnico
Mobilidade automóvel
Portugal
Estado Novo
Estradas
Automobilistas
Data de Defesa: 2013
Editora: Faculdade de Ciências e Tecnologia
Resumo: Esta tese aborda a institucionalização do sistema socio-técnico que permitiu a mobilidade automóvel de 1920 a 1950, em Portugal, um país originalmente não produtor de veículos automóveis e tecnologicamente periférico, através do estudo de dois dos seus aspectos, que são complementares: a regulação da circulação dos automóveis e a adaptação das estradas aos novos veículos motorizados. É um estudo da apropriação e da construção deste sistema através das acções de utilizadores, engenheiros, legisladores, clubes automóveis, serviços de viação ou órgãos de administração rodoviária. No período analisado, apesar de as taxas de motorização serem baixas, o sistema socio-técnico institucionaliza-se e estabiliza-se, acompanhando e dialogando com a definição de standards internacionais e criando estruturas que influenciariam o desenvolvimento deste sistema durante a segunda metade do século XX. A forma como a institucionalização do sistema da automobilidade foi levada a cabo permitiu não apenas um importante aumento do transporte rodoviário comercial (em detrimento do desenvolvimento dos caminhos-de-ferro), como protegeu uma cultura elitista do uso dos automóveis particulares e o desenvolvimento do turismo automóvel, patente na regulação da circulação e na construção de estradas de turismo, com características técnicas e orçamentos especiais. Permitiu, ainda, o desenvolvimento da engenharia rodoviária em Portugal com a criação de um órgão autónomo de administração rodoviária e com a formação de vários engenheiros que construíram uma obra que foi apropriada pelo discurso do Estado Novo como símbolo da sua realização e de modernidade. Estes actores participaram na elaboração de conhecimento técnico e participaram também nas negociações de normas sociais e morais e na construção de representações ao nível das práticas dos utilizadores, dos discursos e da materialidade deste sistema.
Descrição: Dissertação realizada em co-tutela para obtenção do Grau de Doutor em História, Filosofia e Património da Ciência e da Tecnologia(na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa) e em História Cultural(na Université Sorbonne Nouvelle, Paris 3, École doctorale 267 - Arts & Médias; Centre de Recherches sur le Lien Social
URI: http://hdl.handle.net/10362/11322
Aparece nas colecções:FCT: DCSA - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Sousa_2013.pdf11,7 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.