Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/6879
Título: Labirintos da identidade: de como um fidalgo castelhano-manchego foi chamado a salvar a pátria portuguesa.(da literatura comparada ao fado lusíada)
Autor: Abreu, Fernanda
Data: 1996
Editora: Colibri
Relatório da Série N.º: N.9;
Resumo: Alonso Quijano, fidalgo manchego, nasceu num lugar de cujo nome não quis o seu autor lembrar-se. Convém, porém, que se diga que o famoso fidalgo nasceu, viveu, amou e aventurou por terras de Castela. Sabe-se que foi, antes de mais, leitor empedemido de livros de cavalarias e que, ao longo dessas leituras, se apoderou do modelo do cavaleiro andante e se pôs a imitar os que melhor conhecia. Duvidou entre Amadis e Palmeirim, mas no fim decidiu-se pelo primeiro sem, no entanto, deixar de seguir também o outro - e outros, como o Furioso Orlando do italiano Ariosto ou o Blanc Tirant do valenciano Joan de Martorell. Assim, por vontade própria se fez cavaleiro andante e, por vontade própria, se chamou Dom Quixote. Nesta paixão apropriadora, mal sabia o fidalgo manchego de que modo - tantos e vários - seria ele, passando o tempo, convertido num dos mais fascinantes objectos de apropriação para outros leitores, em muito a ele semelhantes. E um certo modo de apropriação da figura de Dom Quixote o que nesta comunicação pretendo destacar tratando de enfocá-lo nas propostas destes Encontros.
Descrição: pp. 187-199
URI: http://hdl.handle.net/10362/6879
ISSN: 0871-2778
Aparece nas colecções:Revista da FCSH -1996

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RFCSH9_187_199.pdf10,64 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.