Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/7928
Título: O mapeamento possível no mundo dos possíveis
Data: 2001
Editora: Colibri
Resumo: Logo que sugeri o título, dentro do quadro mais seco do futuro da sociologia, alguns colegas me foram logo dizendo, - "melhor fora que falasses dos impossíveis". Possso concluir que a consideração que têm por mim deve ter subido, pois não se pede uma abordagem destas a qualquer um. Falar e reflectir sobre o mundo dos possíveis, é pensar as suas condições de possibilidade, o enquadramento da sua emergência e do seu devir. Pensar o mundo dos possíveis é verificar, de facto se ele cabe dentro dos impossíveis, ou se é o contrário que se regista, - se é o mundo dos impossíveis que contém o dos possíveis. Se pensarmos bem, eles autoexcluem- se, são incompatíveis. O mundo dos possíveis que aqui nos interessa é o da Ciência, limitada aqui às Ciências Sociais. Qual é a ciência que existe - perguntamo-nos, e quais são as ciências possíveis? Mas vou apresentar algumas reflexões. O mundo dos possíveis inclui a ciência existente. Esta é razoavelmente vasta mas, no espaço da experiência contemporânea. Observar e levantar a experiência contemporânea, é ser capaz de perceber as formas de recepção e vivência do mundo. Hoje, a relação com os objectos, a constituição dos sujeitos, etc, encontra essencialmente duas sociologias: as condições da experiência contemporânea reduzem os objectos existentes ao número dos que se mostram e aparecem ou evoluem no espaço público. Estes são os objectos que observo - essas duas sociologias.
URI: http://hdl.handle.net/10362/7928
ISSN: 0871-2778
Aparece nas colecções:Revista da FCSH - 2001

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RFCSH14_101_105.pdf4,26 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.