Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/7765
Título: Formalização lógica da narrativa e força referencial
Autor: Silva, Luís de Oliveira e
Data: 2000
Editora: Colibri
Resumo: A pretensa formalização lógico-gramatical da narrativa (Propp 1928; Todorov 1969; Genette 1972; Bremond 1973; Chatman 1978; Prince 1973 e 1980), que não deixa de estar infectada de psicologismo - terá cometido Antígona, ao enterrar o seu irmão Polineices, em obediência à "lei não escrita" que negava a autoridade positiva do rei Creonte, uma transgressão ou uma restituição! -, passou por alto a sua estmtura referencial. Bremond, que lida com grupos abertos como se estivesse a lidar com grupos fechados, fundamenta a sua tipologia narrativa nos diferentes meios de realização de processos de mediação ou transformação, tratando de formalizar "le réseau complet des options logiquement offertes à un narrateur, pour continuer Thistoire commencée" (1973: 8), conquanto tal formalização, ao depender de um grupo aberto de variáveis livres, não possa ser devidamente estmturada. Acresce que os processos de melhoramento ou de empioramento apontados por Bremond não nos parecem corresponder a paradigmas estritamente lógicos, e consequentemente abstractos, das situações narrativas. Trata-se de paradigmas psicológicos e culturais convencionalmente determinados e, por conseguinte, sumidos na relatividade. E difícil encerrar as opções pragmáticas nos conjuntos fechados exigidos por qualquer tipo de formalização lógica.
URI: http://hdl.handle.net/10362/7765
ISSN: 0871-2778
Aparece nas colecções:Revista da FCSH - 2000

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RFCSH13_339_346.pdf6,22 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.