Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/6957
Título: As Lucernas Romanas da Praça da Figueira (Lisboa): Contributo para o conhecimento de Olisipo
Autor: Vieira, Vasco Alexandre Correia Noronha
Orientador: Gomes, Mário Varela
Silva, Rodrigo Banha da
Palavras-chave: Praça da Figueira
Lisboa
Olisipo
Necrópole
Lucernas
Romano
Data de Defesa: 2011
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: O presente estudo teve como objectivo analisar a totalidade dos 342 fragmentos de lucernas romanas recuperadas na Praça da Figueira, em Lisboa, provenientes das intervenções arqueológicas que tiveram lugar em 1962, e também de 1999/2001. A partir da análise do conjunto, pretendeu-se compreender a dinâmica comercial de Olisipo como ciuitas portuária e centro de redistribuição de lucernas para a Lusitania. A necrópole noroeste de Olisipo foi localizada e parcialmente intervencionada naquele espaço, e forneceu a maior quantidade de fragmentos deste conjunto, apresentando uma diacronia de ocupação entre c. 60 d.C. e séc. IV. Esta cronologia é reforçada pelo estudo das 17 lucernas recuperadas, em ambas as intervenções no contexto mencionado. A totalidade do universo estudado apresenta uma cronologia que engloba o Período Romano Imperial, com lucernas de produção da primeira metade do século I d.C. prolongando-se até aos finais do século III. É possível concluir que existe uma predominância de importações, com uma percentagem maior de produtos itálicos e da Baetica durante o século I, que darão lugar a uma preponderância de importações de origem Norte-Africana na segunda centúria. A produção regional, do vale do Tejo e do Sado, embora bastante representada, surge como uma minoria e evidencia um prolongamento temporal nas produções desta região de formas tradicionais de lucernas. A variedade de cenas mitológicas presentes na decoração vem demonstrar o papel que este tipo de cerâmica detinha na divulgação da cultura e mitologia grecoromana pelo território romano durante e após o processo de romanização. A quantidade de importações documenta a crescente importância que Olisipo tinha como ponto de redistribuição de mercadorias para a Lusitânia muito provavelmente a partir do século II com a chegada das produções norte-africanas por via marítima, embora arqueologicamente ainda não tenham sido detectadas estruturas mercantis que venham corroborar esta dinâmica comercial de Olisipo.
Descrição: Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Arqueologia
URI: http://hdl.handle.net/10362/6957
Aparece nas colecções:FCSH: DH - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Capa.pdfcapa55,9 kBAdobe PDFVer/Abrir
Parte 1 - Resumo e indice.pdfresumo e indices45,7 kBAdobe PDFVer/Abrir
Parte 2 - Dissertação e bibliografia.pdfdissertação644,8 kBAdobe PDFVer/Abrir
Anexos 1 - Plantas.pdfanexo14,84 MBAdobe PDFVer/Abrir
Anexos 2 - Estampas.pdfanexo234,63 MBAdobe PDFVer/Abrir
Anexos 3 - Gráficos.pdfanexo36,95 MBAdobe PDFVer/Abrir
Anexos 4 - Fotos.pdfanexo420,91 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.