Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/9419
Título: Transplante renal : desigualdades no acesso
Autor: Oliveira, Paula
Orientador: Perelman, Julian
Palavras-chave: Desigualdade em saúde
Utilização dos cuidados de saúde
Acesso aos cuidados de saúde
Transplante renal
Insuficientes renais crónicos
Inequality in health
Health care utilization
Access to health care
Kidney transplant
Chronic renal failure
Data de Defesa: 2011
Editora: Universidade Nova de Lisboa. Escola Nacional de Saúde Pública
Resumo: RESUMO - Em Portugal estima-se que existam cerca de 14 mil insuficientes renais crónicos e estima-se que em 2025 sejam 24 mil. As alternativas de tratamento são: hemodiálise, diálise peritoneal ou o transplante renal. Das alternativas de tratamento, o transplante renal é considerado a melhor alternativa terapêutica proporcionando melhor qualidade de vida, aumentando a sobrevida dos doentes, caracterizando-se por ser menos oneroso e por apresentar melhor custo- efectivo, quando comparado com hemodiálise ou diálise peritoneal. Portugal situa-se entre os primeiros da Europa, relativo ao número de transplantes renais efectuados (56,1 por milhão de habitante), em 2010 efectuaram-se 573 transplantes renais. Apesar disso, muitos são os doentes que continuam em lista de espera a aguardar transplante, em média os doentes esperam cerca de dois a três anos por um transplante renal, quando o tempo ideal seria três a seis meses. Por outro lado, estudos internacionais demonstram que existem desigualdades no acesso ao transplante renal, assim à semelhança de outros países torna-se pertinente estudar a realidade portuguesa em relação à temática da desigualdade no acesso, dado o objectivo primordial do Serviço Nacional de Saúde de garantir a equidade nos cuidados de saúde. Este trabalho tem como objectivo principal avaliar se factores como o sexo, idade a localização geográfica influenciam o acesso ao transplante renal, contribuindo para desigualdades no acesso. Este trabalho baseou-se na base de dados dos doentes inscritos em lista de espera para transplante renal, respeitante à área de abrangência do Centro de Histocompatibilidade do Sul. Caracterizou-se a população quanto ao sexo, idade, concelho, região de saúde e unidade de transplantação. Determinou-se ainda, os tempos médios de espera para inscrição em lista activa e para transplante por sexo, idade, região de saúde e unidade de transplantação.Dos resultados obtidos salienta-se que as desigualdades encontradas no acesso ao transplante renal verificam-se entre o início do tratamento até à inscrição em lista activa para transplante. Depois dos doentes em lista activa, o tempo de espera médio não é influenciado significativamente pelo sexo, idade ou localização geográfica.
ABSTRACT - In Portugal it is estimated that approximately 14,000 people suffer from chronic renal failure, and it is estimated that this number will increase 24,000 in 2025 Treatment alternatives are the following: hemodialysis, peritoneal dialysis and kidney transplantation. Among treatments, kidney transplantation is considered the best therapeutic alternative because it improves quality of life and increase patient’s survival. This technique is less costly and more cost-effective, when compared with hemodialysis or peritoneal dialysis. Portugal is among the first in Europe regarding the number of kidney transplants performed (56,1 per million inhabitants), in 2010 were carried out 573 kidney transplants. Nevertheless, many patients are still on the waiting list, awaiting for transplant. On average patients wait approximately two to three years for a kidney transplant, when the ideal time would be three to six months. On the other hand, international studies show that there are inequalities in access to kidney transplantation. Hence, it is relevant to analyze the Portuguese reality of unequal access to kidney transplantation, also so given the primary objective of the National Health Service to guarantee equity in health care delivery. In the present work we analyze whether factors such as sex, age or geographic location, contribute to inequalities in access to kidney transplantation. This work is based on a database of patients on waiting list for kidney transplantation; in the South Centre Histocompatibility catchment area. The population is characterized by gender, age, county, region and health unit transplantation. We analyze the average waiting time for being included in the active list for transplantation, and in waiting time for transplantation according to sex, age, health region and transplant unit. Results show that inequalities in access to kidney transplantation occur between the start of treatment and the inscription on the active list for transplantation. When patients are already in the active list, the average waiting time is not significantly influenced by gender, age or geographical location.
URI: http://hdl.handle.net/10362/9419
Aparece nas colecções:ENSP: GOSS - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RUN - Dissertação de Mestrado - Paula Oliveira.pdf1,48 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.