Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/8097
Título: Édipo e Jocasta: o matrimónio disfórico
Autor: Silva, Luís Oliveira e
Data: 2005
Editora: Colibri
Resumo: Ao casar com Jocasta, Edipo sabia que Jocasta era Jocasta, mas não sabia, ao casar com Jocasta, que Jocasta era a sua mãe. «Si a él le hubieran hecho Ia pregunta 'Deseas casarte con Yocasta?', su respuesta hubiera sido un tajante asentimiento. Pero sucedia, tragicamente, que Edipo desconocía ei hecho de que Yocasta era su madre. Seguramente que, si se le hubiera hecho Ia pregunta '^Deseas casarte con tu madre?, habría descartado con horror esa posibilidad» (Garcia Suárez 1997: 251). Como é que a sua mulher podia ser a sua mãe? Em 1996, Donnellan distingue a descrição definida que tem valor referencial da que tem valor afributivo: «Now if there are two uses of definite descriptíons, it may be that the tmth value is affected differently in each case by the falsity ofthe presupposition or implication» (1991: 53). Pode-se dizer /O assassino do Silva é tarado/ sem que se saiba quem é /O assassino do Silva/, estando sô em contacto com um "assassino do Silva" funcional ainda não identificado, ainda não individuado. Neste caso, o uso da descrição definida tem talante atributivo. Édipo sabe perfeitamente que houve um "assassino de Laio", fiincional e não identificado. Virá a descobrir, tragicamente, que ele mesmo, Edipo, é o assassino referencial de Laio.
URI: http://hdl.handle.net/10362/8097
ISSN: 0871-2778
Aparece nas colecções:Revista da FCSH - 2005

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RFCSH17_169_181.pdf13,77 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.