Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/7338
Título: Arte romana e pedreiras de mármore na Lusitânia: novos caminhos de investigação
Autor: Maciel, Manuel Justino
Data: 1998
Editora: Edições Colibri
Relatório da Série N.º: 11
Resumo: Legar à posteridade em mármore uma cidade que recebeu constraída em tijolo foi uma das alegrias do Imperador Augusto ao fazer um balanço da sua vida, segundo Suetônio'. As propostas urbanísdcas do Princeps transformam-se em modelos para todas as novas cidades e capitais de colônia, incrementando-se deste modo o uso do mármore logo a pardr dos inícios do Império, perdurando ainda bem vivo nos finais do séc. IV, já numa sociedade em grande parte cristianizada. Séneca diz-nos, nos meados do séc. I d. C, que existia o ideal de que as paredes reluzissem com mármores importados da outra banda do mar, que se olhavam com admiração as crustae marmoriae que as revestiam e que era sinal do melhor estatuto caminhar sobre mármores. E Paciano de Barcelona, nos finais do séc. IV, encontra na renúncia ao marmoribus tegi, ao habitar em casas de mármore, uma forma de fazer penitência.
URI: http://hdl.handle.net/10362/7338
ISSN: 0871-2778
Aparece nas colecções:Revista da FCSH -1998

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RFCSH11_233_245.pdf10,48 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.