Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/6948
Título: Das fronteiras de gênero às fronteiras discursivas: aforismos, fragmento e ensaio
Autor: Topa, Helena
Data: 1998
Editora: Colibri
Relatório da Série N.º: N. 11;
Resumo: A maioria daqueles que escrevem aforismos são tipos pouco simpáticos. As pessoas que se acautelem. Eles iludem-se acerca da verdade, pensando que ela se compõe de pequenas verdades isoladas, que podem ser apanhadas como as moscas. Basta ter um mata-moscas à mão e zás! Uma verdade, prás! Um aforismo. Depois enchem-se grossos volumes ou brochuras bibliófilas e, na verdade, não passam de uma colecção de moscas mortas. O verdadeiro escritor de aforismos é um tipo raro. Para ele, o aforismo não é o resultado final de um acto do pensamento, mas sim o testemunhar dramático do processo mesmo de pensar. O pensamento cristaliza- se inesperadamente, em pleno processo de realização. A reflexão líquida adensa-se num momento fortuito e toma corpo, não como sabedoria disponível, não como sentença ou dizer de almanaque, mas como desafio a entrar naquele percurso do pensar, que ali se condensou num pedaço de linguagem; desafio a dissolver de novo o que se cristalizou, e a entregar-se ao seu imprevisível rumo, à sua torrente provavelmente caudalosa."
Descrição: pp. 23-33
URI: http://hdl.handle.net/10362/6948
ISSN: 0871-2778
Aparece nas colecções:Revista da FCSH -1998

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RFCSH11_23_33.pdf8,51 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.