Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/6801
Título: Antero de Quental e a geração de 50
Autor: Pereira, José Esteves
Data: 1995
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Relatório da Série N.º: Vol.2;N.8
Resumo: Antero de Quental (1842-1891) toma-se em 1865, e em 1871, arauto de uma geração que define como tendo saído decididamente e conscientemente, da "velha estrada da tradição".*^' Esta geração que, primeiro em Coimbra, com a polêmica do "Bom senso e do Bom gosto", e depois em Lisboa, com as Conferências do Casino Lisbonense se abre às novas correntes de pensamento europeu faz, também, o balanço do liberahsmo político e cultural do país retomando projectos frustrados de uma significativa geração: a de 1850. A geração a que pertencem, José FeHx Henriques Nogueira, Antônio Pedro Lopes de Mendonça e Sousa Brandão foi marcada pelos acontecimentos revolucionários europeus de 1848 e procura superar a crise do liberalismo português, no rescaldo da Patuleia e da intervenção anglo-espanhola que conduz à convenção de Gramido e põe termo à guerra civil. O que pretendo aqui apresentar é a apreciação que Antero de Quental vem a fazer de dois dos mais significativos expoentes da geração de 50: José Felix Henriques Nogueira (1825-1858) e Antônio Pedro Lopes de Mendonça (1826-1865).
Descrição: pp. 313-320
URI: http://hdl.handle.net/10362/6801
ISSN: 0871-2778
Aparece nas colecções:Revista da FCSH -1994/1995

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RFCSH8_313_320.pdf6,78 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.