Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10362/16421
Título: Análise comparativa das readmissões hospitalares nas Unidades Locais de Saúde (ULS) e nos Hospitais
Autor: Suzano, Margarida
Orientador: Lopes, Sílvia
Santana, Rui
Palavras-chave: Integração de Cuidados de Saúde
Modelos Organizacionais
Unidades Locais de Saúde
Indicadores de Resultados
Readmissões Hospitalares
Integration of Health Care
Organizational Models
Unidades Locais de Saúde
Performance Indicators
Hospital Readmissions
Data de Defesa: 2015
Resumo: RESUMO - Introdução: Os modelos organizacionais de saúde baseados na gestão integrada de cuidados têm permitido melhorar os resultados em saúde. A taxa de readmissão hospitalar (um indicador de resultados) tem diminuído nas instituições que adotaram aquele modelo de gestão. Em Portugal, a criação das Unidades Locais de Saúde, representa a adoção de um modelo baseado na gestão integrada entre os cuidados de saúde hospitalares, primários e continuados, pelo que importa comparar a taxa de readmissões hospitalares entre os hospitais com esse modelo e os restantes Hospitais. Metodologia: Determinaram-se as readmissões não planeadas a 30 dias nos hospitais públicos portugueses do Continente durante 2013, segundo a metodologia do Centers for Medicare and Medicaid Service, que usa um algoritmo que identifica as readmissões que são habitualmente planeadas e podem ocorrer no prazo de 30 dias após a alta hospitalar. Foi calculada a taxa anual de readmissão por tipo de hospital e a sua frequência por género, faixa etária e para indivíduos com insuficiência cardíaca, doença pulmonar obstrutiva crónica, diabetes mellitus e hipertensão arterial. Resultados: Dos 692.211 episódios de internamento de 2013, 6,0% corresponderam a readmissões hospitalares não planeadas a 30 dias. Os episódios de internamento nas Unidades Locais de Saúde foram 72.725, sendo 6,6% readmitidos. Nos restantes Hospitais foram 619.486, sendo 6,0% readmitidos. A taxa de readmissão registada nos indivíduos do sexo masculino foi superior à do sexo feminino nas Unidades Locais de Saúde (7,6% vs. 6,0%) e nos restantes Hospitais (6,7% vs. 5,4%), não sendo esta diferença estatisticamente significativa (p> 0,05). Foram identificadas diferenças estatisticamente significativas (p <0,05) nas taxas de readmissão por faixa etária, sendo as pessoas com 65 anos ou mais as que apresentaram a maior taxa de readmissão nas Unidades Locais de Saúde (10,3%) e nos restantes Hospitais (10,0%). Quando analisadas as readmissões por patologia, nas Unidades Locais de Saúde os doentes com doença pulmonar obstrutiva crónica foram os que apresentaram a maior taxa de readmissão (17,5%) e os doentes com insuficiência cardíaca os que apresentaram a maior taxa de readmissão para os restantes Hospitais (16,4%). Conclusão: Em termos gerais, a frequência das readmissões nas Unidades Locais de Saúde é superior à dos restantes Hospitais. Os resultados obtidos podem indicar dificuldades na operacionalização do modelo de gestão adotado pelas Unidades Locais de Saúde, nomeadamente falhas na coordenação dos cuidados entre os diferentes níveis de prestação de cuidados.
ABSTRACT - Introduction: Organizational models based on vertical integration allow for better results in healthcare provision, namely the reduction of hospital readmissions. In Portugal, the creation of Unidades Locais de Saúde represents the adoption this model, by integrating management of primary, acute and long term care. As such, it is relevant to compare readmissions rate in Unidades Locais de Saúde and other Hospitals. Methods: Unplanned readmissions at 30 days in public mainland Portuguese hospitals in 2013 were estimated according to the algorithm of Centers for Medicare and Medicaid Service. The readmissions rate was calculated by hospital type, gender, age, and for individuals with heart failure, chronic obstructive pulmonary disease, diabetes mellitus and hypertension. Results: Considering 692,211 inpatient episodes, the rate of unplanned readmissions at 30 days was 6.0%. Readmissions rate was 6.6% for Unidades Locais de Saúde (n=72,725), and 6.0% for other Hospitals (n=619,486). The readmission rate of male patients was higher than that of woman for the readmissions in Unidades Locais de Saúde (7.6% vs. 6.0%) and in other Hospitals (6.7% vs. 5.4 %), no statistically significant differences were found (p> 0.05). Statistically significant differences (p<0.05) were found in readmission rates by age: patients with 65+ years had the highest rate in Unidades Locais de Saúde (10.3%) and in other Hospitals (10.0%). When readmissions were analysed by disease, in Unidades Locais de Saúde patients with pulmonary obstructive chronic disease had the highest readmission rate (17.5%), and patients with heart failure were those with the highest readmission rate in the other Hospitals (16.4%). Conclusion: Overall, the frequency of readmissions in Unidades Locais de Saúde is higher to the other Hospitals. The results may indicate difficulties in the operationalization of the vertically integrated model adopted by Unidades Locais de Saúde, such as failures in the coordination of care between the different levels of care.
URI: http://hdl.handle.net/10362/16421
Designação: Curso de Mestrado em Gestão da Saúde
Aparece nas colecções:ENSP: GOSS - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RUN - Dissertação de Mestrado - Margarida Suzano.pdf1,79 MBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.