DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) >
FCT Departamentos >
FCT: Departamento de Ciências e Tecnologia da Biomassa (ex-GDEH) >
FCT: DCTB - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/8232

Title: Conservação de frutas: redução de doenças de pós-colheita em pera ‘Rocha’
Authors: Marques, Inês Sofia Mendes Amaral
Advisor: Lara, Claudia
Lidon, Fernando
Keywords: Conservação
Doenças pós-colheita
Penicillium expansum
Biocontrolo
Aureobasidium pullulans
Quitosano
Issue Date: 2012
Publisher: Faculdade de Ciências e Tecnologia
Abstract: A utilização de agentes de biocontrolo constitui uma vantagem na redução de doenças de pós-colheita em frutos e legumes, evitando ou reduzindo o uso dos tradicionais fungicidas. Assim, no presente trabalho, foi estudada a aplicação de um microrganismo antagonista, Aureobasidium pullulans, juntamente com um composto natural com propriedades antifúngicas, o quitosano, para prolongar o tempo de conservação da pera ‘Rocha’ e reduzir a incidência da podridão azul causada por Penicillium expansum. Recorreu-se a ensaios in vitro para estudar o efeito inibitório da solução ácida de quitosano sobre o patogéneo, bem como possíveis efeitos sobre o antagonista A. pullulans. Foram testadas duas concentrações de ácido acético para a preparação das soluções de quitosano, uma a 5% e outra a 1%. Para a primeira concentração utilizaram-se doses crescentes de quitosano, 0 - 5g.L-1.Verificou-se que, mesmo a baixas concentrações, a solução de quitosano teve um efeito inibitório significativo no antagonista, uma vez que a colónia de A. pullulans foi inibida em todas as concentrações com exceção da concentração de 0,5 g.L-1. O P. expansum foi inibido a 100% quando a concentração de quitosano foi maior ou igual a 1,2 g.L-1. Neste enquadramento, foram testadas oito concentrações de quitosano (de 0 a 2,5 g.L-1) em solução de ácido acético a 1%. Os resultados obtidos indicam que 1,2 g.L-1 é a concentração mais adequada para o controlo do crescimento do fungo patogénico, quando combinado o efeito antagónico de A. pullulans e o antifúngico do quitosano. Realizaram-se ainda ensaios in vivo, para estudar o efeito do antagonista A. pullulans e de diferentes concentrações de quitosano (0,5; 1,2 e 2,5 g.L-1) em solução ácida a 1%, no controlo da podridão azul em pera ‘Rocha’. Verificou-se que a inoculação com o antagonista levou a um aumento da percentagem de inibição do patogéneo. Quando inoculado o patogéneo e a solução de quitosano na mesma ferida, constatou-se que não houve qualquer controlo da podridão azul, em comparação aos frutos inoculados somente com P. expansum. Efectuou-se ainda a observação citológica da polpa da pera na zona da ferida, para identificar os possíveis mecanismos de ação do antagonista no controlo da doença. Os resultados indicam que a presença do antagonista poderá induzir mecanismos no hospedeiro, produzindo a formação de compostos que possam reforçar as paredes celulares, dificultando assim a invasão dos tecidos por parte do patogéneo.
Description: Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar na área de especialização Qualidade Alimentar
URI: http://hdl.handle.net/10362/8232
Appears in Collections:FCT: DCTB - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Marques_2012.pdf1.85 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE