DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) >
FCT Departamentos >
FCT: Departamento de Ciências da Vida >
FCT: DCV - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/8136

Title: A agregação proteica em processos neurodegenerativos: mecanismos de agregação da SOD1 no contexto da esclerose lateral amiotrófica
Authors: Cristóvão, Joana Margarida Lopes da Silva
Keywords: Esclerose lateral amiotrófica
Superóxido dismutase 1
Folding e agregação proteica
Iões metálicos
Issue Date: 2012
Publisher: Faculdade de Ciências e Tecnologia
Abstract: A formação de agregados proteicos e amilóides são caraterísticas de muitas doenças neurodegenerativas mas permanecem desconhecidos os mecanismos deste fenómeno. Neste trabalho estudou-se a superóxido dismutase 1 (SOD1), presente em depósitos proteicos na Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), como modelo. A SOD1 é uma metaloproteína homodimérica, com um centro Cu/Zn por monómero. O estudo desenrolou-se em três vertentes: análise do efeito de modificações pós-traducionais na estabilidade e estrutura da SOD1; estudo da cinética de agregação e amilóidogénese; e determinação do efeito de pequenas moléculas com relevância fisiológica como moduladores da estabilidade e agregação. Foram expressas e purificadas três formas da SOD1 humana (dímero, dSOD1; uma variante mutada da qual resulta SOD1 monomérica, mSOD1, que se julga modular a agregação; e uma variante da forma monomérica com uma mutação patológica, mSOD1-G37R) que foram objeto de caracterização bioquímica e estrutural recorrendo a metodologias biofísicas (dicroísmo circular, emissão de fluorescência, varrimento diferencial de fluorescência). Os resultados mostraram que as formas mSOD1 e a mSOD1-G37R são menos estruturadas relativamente à forma dimérica. Os perfis de desnaturação com ureia revelam desestabilização da forma monomérica em relação à dimérica (ΔCm =3.3 M), e a forma mSOD1-G37R (ΔCm = 1.9M). Verificou-se que a adição de Zn(II) é destabilizadora, mas que presença de Cu(II) não influencia a conformação proteica. O estudo da cinética de agregação a pH 7 mostrou que redução da ligação dissulfídrica intramolecular aumenta a propensão de agregação, e a seguinte propensão relativa: mSOD1wt ≈ mSOD1-G37R > dSOD1. Verificou-se que a forma mSOD1 potencia também a agregação da forma dimérica, sugerindo assim uma toxicidade acrescida da forma monomérica no processo de agregação. A análise do efeito de 15 pequenas moléculas alteradas em doentes com ELA, a concentrações fisiológicas, revelou um efeito destabilizador sobre a forma mSOD1 e, inibição da agregação (ex: arginina, ftalato, lisina) da forma dSOD1.
Description: Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Biotecnologia
URI: http://hdl.handle.net/10362/8136
Appears in Collections:FCT: DCV - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Cristovao_2012.pdf7.06 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE