DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Ciências da Comunicação >
FCSH: DCC - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/7987

Title: Marca: a estética e o gosto na experiência de consumo
Authors: Azevedo, Diogo Mário Castro Sampaio
Keywords: Marca
Marca Registada
Estética
Gosto
Experiência de Consumo
Issue Date: Sep-2012
Publisher: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Abstract: O conceito de Marca traduz processos de institucionalização do sentido, afectivo e cognitivo, que articulam diversos aspectos da experiência e que o revelam como categoria matriz nos mercados. A sistematização das dimensões envolvidas, para efeitos de uma caracterização alargada, sugere-nos que a conjugação dos saberes a mobilizar, provenientes de vários campos disciplinares, se processe a partir dos pressupostos e mecanismos ligados ao seu uso corrente. Assim e após uma abordagem estruturante do que tal uso corrente pode aqui envolver, revemos a partir daí tendências importantes da literatura aplicável, cujas raízes têm por vezes mais de um século e que contribuíram, de diversas formas, para o que hoje em dia entendemos por marca. Assinalamos em especial a clivagem sucessivamente mais nítida no tempo, e actualmente determinante, entre marca registada (trademark) e marca (brand), bem como o permanente ‘deslize da referência’ que é em geral mobilizada e por sua vez conducente, respectivamente, à materialização ou desmaterialização associadas, aspectos que se dirão plasmados na diferença entre “marca de uma (dada) imagem” e “imagem de uma (dada) marca”. Da extensa teorização existente e sua difícil compatibilidade resulta o nosso argumento, de síntese, em favor da centralidade do domínio estético-expressivo da experiência. Vemos marca (brand) como categoria epistémica emergente num agregado de diversos componentes, de entre os quais os tangíveis incluídos em marca registada (trademark), muito especialmente traduzida em configurações da estética/gosto dos sujeitos: a marca (brand) como valor. Enveredamos então pela articulação subsequente de dois trabalhos empíricos que em nosso entender permitem corroborar, nitidamente, a perspectiva indicada: (i) um primeiro de enquadramento geral, lógico e/ou de linguagem, que nos autoriza a estabelecer relações entre marca e estrutura axiológica dos sujeitos; (ii) depois um outro mais vasto, de estética experimental em torno dos processos visuais, emocionais/sentimentais, e suas relações com o sentido à luz do conceito de beleza e de um padrão estável de referência (IAPS – International Affective Picture Set), que suporta de forma muito plausível o nosso entendimento de marca.
Description: Tese apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Doutor em Ciências da Comunicação, na especialidade de Comunicação e Ciências Sociais
URI: http://hdl.handle.net/10362/7987
Appears in Collections:FCSH: DCC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
diogo.pdf9.32 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE