DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Ciências Musicais >
FCSH: DCM - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/7957

Título: Emergência e declínio do piano na vida quotidiana madeirense (1821‐1930)
Autor: Esteireiro, Paulo Alexandre Gonçalves da Silva
Palavras-chave: Piano
Quotidiano
Ensino
Repertório
Comércio
Issue Date: Jul-2011
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: Ao longo de cerca de 100 anos, grosso modo entre 1820 e 1930, o piano foi uma presença constante nos entretenimentos da vida quotidiana madeirense. A partir do primeiro quartel do século XIX, surge um conjunto muito alargado de referências sobre este instrumento, as quais comprovam a existência de uma cultura musical em redor do piano, constituída por: saraus privados e concertos públicos, em que a prática musical com piano era o motivo de entretenimento principal; um ensino musical exigente, com necessidade de professores para orientar a aprendizagem, e no qual a mulher ganhou gradualmente protagonismo; um repertório centrado na música para canto e piano, em danças e em peças de cariz brilhante ou virtuoso; e um comércio de importação de pianos, primeiramente de Inglaterra e, numa fase posterior, principalmente da Alemanha, que permitiu o acesso a estes instrumentos e que influenciou o surgimento da nova profissão de afinador de pianos, para assegurar a sua manutenção. As personagens principais desta história são pianistas, normalmente amadores ou professores de piano, que compuseram obras originais, de modo a responder às exigências do meio. Assim, numa primeira fase, até cerca de 1860 sensivelmente, destacaram-se compositores como João Fradesso Belo (1792-1861), Duarte Joaquim dos Santos (1801-1855) e Ricardo Porfírio d’Afonseca (1802-1858), que se dedicaram à composição de danças, tais como valsas, quadrilhas e cotilhões, mas também a peças em estilo brilhante como fantasias ou divertimentos. Na segunda metade do século XIX, destacaram-se pianistas como António José Bernes (?-1880), Amélia Augusta de Azevedo (1840-?), Maria Paula K. Rego (?-1922), Francisco de Villa y Dalmau (?- 1900) e Nuno Graceliano Lino (1859-1929), que se dedicaram igualmente às valsas, mas também a danças que começaram a emergir em meados do século XIX, entre as quais as polcas, mazurcas e polcas-mazurcas. Finalmente, na fase de transição do século XIX para o XX, evidenciaram-se compositores como Mathilde Sauvayre da Câmara (1871-1957), Dário Florez (?-1951) e Fernando Clairouin (1897-1962), os quais compuseram cançonetas e fados inspirados nos espectáculos de variedades, operetas e revistas, muito em voga então no Funchal. Num estilo mais erudito, destacou-se ainda Sheila Power (1903-1971), que se dedicou à composição de Lieder e, num estilo mais ligeiro, Edmundo Conceição Lomelino (1886-1962), que se dedicou a danças de influência americana, tais como o one step.
Descrição: Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Doutor em Ciências Musicais
URI: http://hdl.handle.net/10362/7957
Appears in Collections:FCSH: CESEM - Dissertações de Mestrado
FCSH: DCM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Paulo_Esteireiro_Piano.pdf16,06 MBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia