DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Ciências Musicais >
FCSH: DCM - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/7903

Título: A Opereta em Portugal na viragem do século XIX para o século XX: Tição Negro de Augusto Machado (1902)
Autor: Gomes, Luísa Fonte
Palavras-chave: Opereta
Teatro nacional
Teatro da Avenida
Gil Vicente
Augusto Machado
Lopes de Mendonça
Issue Date: Mar-2012
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: A partir do final da década de 1860, com a estreia das obras de Jacques Offenbach, a opereta obteve um significativo sucesso em Portugal. A apropriação deste género pelos dramaturgos e compositores portugueses, até ao final do século XIX, revela a predominância de adaptações e traduções de originais franceses mas é também importante estudar os originais produzidos localmente. Esta dissertação parte do final do século XIX, aquando da criação em Lisboa de alguns novos teatros secundários, como o Teatro da Avenida, situado na nova artéria da cidade – a avenida da Liberdade – e enquadrado no seu novo espaço de sociabilidade. A confluência de um período histórico marcado pelo Ultimatum de 1890 e por uma fase conturbada política e socialmente, em virtude da decadência do regime monárquico, levou a uma exaltação patriótica que se traduziu na comemoração de um conjunto de efemérides de datas marcantes da história de Portugal. Em 1902, a estreia de Tição Negro, do compositor Augusto Machado (1845-1924) e do dramaturgo Henrique Lopes de Mendonça (1856-1931), no Teatro da Avenida, envolveu diversas personalidades que, num círculo de intelectuais activos na cena teatral portuguesa, demonstraram um interesse pela renovação do teatro português antecipando a comemoração do IV Centenário de Gil Vicente. No primeiro capítulo é elaborado um enquadramento dos teatros de Lisboa na e traçado um perfil do Teatro da Avenida, no início do século XX, cuja actividade, considerada periférica nos primeiros anos após a sua edificação em 1888, se tornara central à dinâmica da vida teatral da cidade. O segundo capítulo trata a efeméride do IV Centenário de Gil Vicente (1902) com o movimento de recuperação das origens do teatro nacional, e introduz a farsa lírica Tição Negro, elaborada a partir de temas e personagens vicentinos. Estudar-se-á também a Companhia Sousa Bastos e o perfil da actriz Palmira Bastos que desempenhou o papel de Cecília, a padeirinha. Por último, o terceiro capítulo pretende analisar as estratégias e modelos de comicidade presentes na obra, assim como, elaborar uma análise dramatúrgica e musical reflectindo sobre as tipologias e modelos utilizados na concepção desta opereta.
Descrição: Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Ciências Musicais, variante de Musicologia Histórica
URI: http://hdl.handle.net/10362/7903
Appears in Collections:FCSH: DCM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Tese VERSÃO FINAL.pdf5,85 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia