DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Filosofia >
FCSH: DF - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/7298

Título: Uma filosofia da cultura prospectiva da hiper-modernidade
Autor: Gomes, Carlos Alberto
Palavras-chave: Ciclo
Civilizações
Consumismo
Crise
Cultura
Decadência
Dinheiro
Filosofia
Gasset (José Ortega y)
Hedonismo
Hipermodernidade
Issue Date: Sep-2011
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: A filosofia especulativa da história é uma área da filosofia que diz respeito ao eventual significado, se for caso disso, da história humana. Além disso, especula a partir do seu desenvolvimento, uma possível teleologia – o que significa que questiona se existe um desígnio, um princípio directivo ou uma finalidade no processo da história humana. O principal objectivo dos estudos de Vico, Herder, Kant e Hegel, era o descobrir a textura da história, que permitisse compreender o enigma do sentido do progresso histórico mas, actualmente, a questão é a de compreender a desconstrução da visão racionalista cartesiana. Oswald Spengler (1880-1936) escreveu a sua mais conhecida obra Decadência do Ocidente, publicada em 1918, na qual acentua a teoria cíclica das culturas e civilizações, com uma crítica radical à ideia de progresso, tendente a determinar morfologicamente a estrutura da época actual. A perspectiva do declínio histórico da civilização ocidental, feita por Spengler, é extremamente evidente nos nossos dias, e há muitos sintomas de degenerescência orgânica da cultura ocidental. A ideia principal da pós-Modernidade, e que caracteriza uma nova fisionomia das modernas sociedades ocidentais, foi marcada pela falência e ruptura das grandes utopias, desenvolvendo-se uma nova cultura individualista baseada no ‘presente’ - a hipermodernidade. Para Spengler, a civilização é aquilo em que a cultura se tornou, uma vez que o impulso criativo diminui, e o impulso crítico ganha preponderância. A cultura é o começo, a civilização é aquilo em que se torna, e hoje vivemos no estádio da Cultura de Inverno, onde ganhou preponderância uma civilização mundial e urbana, baseada em concepções materialistas e pragmáticas.
Descrição: A tese apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do Grau de Doutor em Filosofia (especialidade: Filosofia da Cultura).
URI: http://hdl.handle.net/10362/7298
Appears in Collections:FCSH: DF - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
TESE Doutoramento Filosofia Carlos A.Gomes.pdf2,51 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia