DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Filosofia >
FCSH: DF - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/7298

Título: Uma filosofia da cultura prospectiva da hiper-modernidade
Autor: Gomes, Carlos Alberto
Palavras-chave: Ciclo
Civilizações
Consumismo
Crise
Cultura
Decadência
Dinheiro
Filosofia
Gasset (José Ortega y)
Hedonismo
Hipermodernidade
Issue Date: Sep-2011
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: A filosofia especulativa da história é uma área da filosofia que diz respeito ao eventual significado, se for caso disso, da história humana. Além disso, especula a partir do seu desenvolvimento, uma possível teleologia – o que significa que questiona se existe um desígnio, um princípio directivo ou uma finalidade no processo da história humana. O principal objectivo dos estudos de Vico, Herder, Kant e Hegel, era o descobrir a textura da história, que permitisse compreender o enigma do sentido do progresso histórico mas, actualmente, a questão é a de compreender a desconstrução da visão racionalista cartesiana. Oswald Spengler (1880-1936) escreveu a sua mais conhecida obra Decadência do Ocidente, publicada em 1918, na qual acentua a teoria cíclica das culturas e civilizações, com uma crítica radical à ideia de progresso, tendente a determinar morfologicamente a estrutura da época actual. A perspectiva do declínio histórico da civilização ocidental, feita por Spengler, é extremamente evidente nos nossos dias, e há muitos sintomas de degenerescência orgânica da cultura ocidental. A ideia principal da pós-Modernidade, e que caracteriza uma nova fisionomia das modernas sociedades ocidentais, foi marcada pela falência e ruptura das grandes utopias, desenvolvendo-se uma nova cultura individualista baseada no ‘presente’ - a hipermodernidade. Para Spengler, a civilização é aquilo em que a cultura se tornou, uma vez que o impulso criativo diminui, e o impulso crítico ganha preponderância. A cultura é o começo, a civilização é aquilo em que se torna, e hoje vivemos no estádio da Cultura de Inverno, onde ganhou preponderância uma civilização mundial e urbana, baseada em concepções materialistas e pragmáticas.
Descrição: A tese apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do Grau de Doutor em Filosofia (especialidade: Filosofia da Cultura).
URI: http://hdl.handle.net/10362/7298
Appears in Collections:FCSH: DF - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
TESE Doutoramento Filosofia Carlos A.Gomes.pdf2,51 MBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia