DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Sociologia >
FCSH: DS - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/7225

Título: Etnografia cigana no Bairro Alfredo Bensaúde, sob o olhar da juventude
Autor: Segrini, Juliana da Mota Marques
Palavras-chave: Etnografia
Minoria étnica
Aculturação
Issue Date: Sep-2011
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: O presente trabalho foi realizado no bairro social Alfredo Bensaúde localizado nas margens da cidade de Lisboa, na fronteira com o município de Loures. Com uma presença multiétnica vincada (gente de origem nacional, africana, indiana e cigana), em proporções distintas, realizei esta pesquisa com um interesse apenas focado nos ciganos, que são considerados uma minoria ética pela ONU. As minorias étnicas são grupos que apresentam entre seus membros, traços históricos, culturais e tradições comuns, distintos dos verificados na maioria da população. A ausência de dados sobre as famílias ciganas residentes no bairro – ou a indisponibilidade para a sua cedência, caso existam – ditam a indisponibilidade de uma caracterização extensiva. Assim, os dados apurados e apresentados no capítulo 3 dizem apenas respeito às famílias das crianças com as quais convivi ao longo de três meses. Marginalizados desde o tempo (secular) em que chegaram ao território Português, nomeadamente em termos das políticas públicas, apenas nas últimas décadas passaram a ser vistos como cidadãos de plenos direitos, e não apenas como ciganos. Hoje são denominados ciganos portugueses.Os ciganos em cada país onde são encontrados são conhecidos por uma palavra característica do idioma local, por isso existem várias denominações para se lhes referir. Desde o início do século XV, quando chegaram a Portugal, até aos dias de hoje, foram sempre vistos como trapaceiros e estão sempre marginalizados na sociedade. Cada comunidade cigana expressa as suas particularizas: porém, devido aos pré-conceitos acerca dessa população, são generalizados e vistos como iguais. Devido à relação conturbada com a sociedade não cigana, as comunidades ciganas têm um certo receio em receber um não cigano no seu seio, e mais receio ainda em contar a sua história a um gadjo (ver Preâmbulo a seguir). Neste estudo, utilizei a técnica de entrevista indirecta. Ou seja, com um guião, a conversa era conduzida de maneira a conseguir ter acesso a todas as informações pretendidas. As conversas eram gravadas e posteriormente transcritas. Consegui deduzir que a comunidade cigana (visível pelo testemunho dos mais novos) sofreu e sofre um processo de aculturação. A mobilidade territorial é basicamente conduzida pelo processo de realojamento. As profissões ditas tradicionais ciganas já não são as únicas a serem exercidas, e não são pretendidas pelas crianças e jovens que ingressaram no mercado de trabalho. A mudança já começou…
Descrição: Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em ecologia humana
URI: http://hdl.handle.net/10362/7225
Appears in Collections:FCSH: DS - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Dissertação_JulianaDaMotaMarquesSegrini_Mestranda_Ecologia_Humana.pdf1,3 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE