DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Antropologia >
FCSH: DA - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/7197

Title: Ernesto de Martino: uma visão particular da cultura popular
Authors: Tabucchi, Teresa Marina de Lancastre
Keywords: História
Classes Subalternas
Cultura Popular
Cultura Hegemónica
Issue Date: Sep-2011
Publisher: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Abstract: Singular e ecléctica figura de intelectual, Ernesto De Martino (1908-1965), considerado o fundador da moderna antropologia cultural italiana, foi antropólogo, histórico das religiões e folclorista. Embora a sua obra não seja ainda conhecida como mereceria fora de Itália e França, nos últimos anos começou a ter uma crescente atenção crítica internacional, e vários estudiosos têm-se empenhado em traduzi-la e divulgá-la nos seus próprios países. No renovado interesse que De Martino tem suscitado nos últimos anos, grande parte da atenção focaliza quer as suas escolhas temáticas, quer a abordagem teórica “eclética e criativa” das suas análises. Na sua abordagem à lamentação funerária, à magia De Martino mostra como as práticas mágicas baseadas em sistemas mítico-rituais estejam ligadas a formas de resistência dos camponeses face à miséria que impera nas suas vidas, porque, embora essas práticas continuem a perpetuar a sua condição de subalternidade, impedindo uma desejável tomada de consciência sócio-política, ao mesmo tempo fornecem ao indivíduo subalterno a ilusão de poderem controlar o seu próprio destino. São portanto práticas culturais que procuram organizar de forma positiva os eventos considerados negativos ou agressivos da vida e do universo. Por outro lado, tem-se sublinhado como a sua reflexão teórico-metodológica seja precursora de algumas temáticas e reflexões críticas importantes da antropologia contemporânea. Ao inaugurar no âmbito europeu uma análise dos factos culturais nos termos de sistemas simbólicos historicamente e socialmente diferenciados (as práticas simbólicas), isto é, utilizando um modelo interpretativo que privilegia as lógicas semânticas, introduziu, já nos anos cinquenta, a dimensão do poder e antecipou nesse sentido os modelos interpretativos post-estruturalistas que surgiram em França a partir da convergência entre antropologia e sociologia, modelos que redescobriam as afinidades fundamentais entre o exercício do poder e o controlo das práticas simbólicas.
Description: Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Antropologia - Área de especialização de Culturas em Cena e Turismo
URI: http://hdl.handle.net/10362/7197
Appears in Collections:FCSH: DA - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
tesi De Martino def2..pdf922.36 kBAdobe PDFView/Open
ERRATA CORRIGE.pdf13.72 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE