DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Estudos Políticos >
FCSH: DEP - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/7164

Title: Qual é o efeito da globalização na exploração da mão de obra no setor sucroalcooleiro no Brasil?
Authors: Araújo, Gilberto Penha
Keywords: Setor sucroalcooleiro
Globalização e agronegócio
Tabalho temporário
Queima da cana
Colheita mecanizada
Issue Date: Mar-2012
Publisher: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Abstract: Este trabalho procura interpretar a situação da mão de obra no setor sucroalcooleiro (cana-deaçúcar, açúcar, álcool, etanol, energia elétrica e subprodutos) no Brasil, entre 1990 e 2010. O agronegócio é analisado sob a dinâmica da globalização, cuja relação capital-trabalho evidencia o emprego temporário, envolvendo 150 mil cortadores de cana, a serviço da agroindústria canavieira, concentrados nas regiões Sudeste, Centro-Sul e Nordeste. O impacto do Programa Nacional do Álcool (Proálcool), de 1975, consolidou a intervenção estatal, reduziu a dependência do País quanto ao petróleo importado, e desenvolveu carros a álcool e bicombustível. Em conseqüência, cidades do interior de São Paulo sofreram impacto na geração de renda devido à produção da cana-de-açúcar energética, fato que se repetiu nos estados do Centro-Sul (Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná). Quanto à expansão do capital, o setor sucroalcooleiro impactou 1.139 municípios versus 196 do setor de petróleo e indústria de derivados (em São Paulo, 420 municípios versus 38). Em 1999, a desregulamentação da agroindústria canavieira afetou as relações entre produtores de cana, usinas, destilarias, distribuidoras de combustível, consumidores de açúcar, álcool e etanol. Resultado: a formação de preços alterou a venda de produtos; e o trabalho apresentou renda desigual devido às transformações produtivas na agropecuária sobre salário e emprego. Milhares de trabalhadores migram espontaneamente para São Paulo para o corte manual da cana durante as safras. Mas, por parte do governo, inexiste um programa de recolocação profissional, treinamento e capacitação dessa mão de obra. Para o sindicato dos trabalhadores, a queima da palha da cana é indispensável, pois reduz a folhagem, elimina animais peçonhentos, diminui o risco de acidentes, e assegura maior rendimento na colheita: 6 toneladas médias diárias. Porém, o corte manual da cana tem seus dias contados: em São Paulo, até 2017, a colheita será 100% mecanizada. Isto implica desemprego para milhares de cortadores de cana, a maioria analfabeta ou com baixa escolaridade.. Na perspectiva do capital, o álcool e o etanol, combustíveis renováveis e menos poluentes que a gasolina, são alternativas aos países desenvolvidos, ciosos em reduzir suas emissões de carbono. Isto propicia uma oportunidade para o Brasil devido à sua competitividade e disponibilidade de terras.
Description: Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Globalização e Ambiente
URI: http://hdl.handle.net/10362/7164
Appears in Collections:FCSH: DEP - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
gilberto.pdf1.69 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE