DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Filosofia >
FCSH: DF - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/7016

Title: Crítica de Habermas a Nietzsche: um olhar nietzschiano sobre a filosofia habermasiana
Authors: Mendes, Daniel Ramos
Advisor: Molder, Maria Filomena
Keywords: Modernidade
Racionalidade
Esteticismo
Perspectivismo dionisíaco
Além-do-homem
Issue Date: Sep-2011
Publisher: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Abstract: O presente trabalho centra-se num confronto entre a filosofia habermasiana e a nietzschiana. Tal confronto assume uma importância decisiva, para nós, na medida em que visa o aprofundamento do nosso interesse e compreensão do pensamento nietzschiano, mediante a procura de argumentos que vencessem a crítica habermasiana, cujos elementos constitutivos se encontram em outros anti-nietzschianos. Partindo da crítica de Habermas a Nietzsche, no Discurso Filosófico da Modernidade, mostramos que este, contrariamente àquilo que aquele preconiza, não nos joga num irracionalismo metafisicamente desfigurado, não nos abre simplesmente para experiências arcaicas e não se sujeita a uma contradição pragmática. Primeiramente, situamos a crítica de Nietzsche à época moderna que, colocando-se sob o signo de uma razão instrumental, representa o momento auge de um declínio que começou com Sócrates, quando este fez da razão uma medida para julgar a vida, matando tudo o que nesta há de forte e pulsante. O dionisíaco não representa o irracional, nem tão-pouco uma predilecção pelo arcaico, mas um contraponto a um tempo onde impera uma razão calculista, niveladora e que está em contradição com a vida. Dioniso é o deus afirmativo por excelência e, por seu intermédio, recuperar-se-ia a face afirmativa da vontade de poder, a que, para além dos valores medíocres e niveladores da democracia e do cristianismo, nos faz enxergar que a vontade de poder está primordialmente ligada à criação de novos valores, que reclamam um outro princípio a partir do qual avaliar, sob pena de sempre permanecermos no mesmo. A vontade de poder não constitui um fundamento metafísico ou uma unidade simples, pois isso significaria colocá-la em contradição com a vida, com o mundo entendido como uma pluralidade de forças, onde a unidade é sempre um arranjar falsificador. O pluralismo intrínseco à filosofia nietzschiana, não obstante apresentar o conhecimento como ficções criadas pela vontade de poder, apresenta-nos, contrariamente à crítica habermasiana, um critério para a verdade: a própria vida como vontade de poder. Habermas apresenta a Modernidade como um paradigma, um momento ímpar da história do Ocidente, já que o único consciente de si e que remetida a si mesma teria que encontrar a chave para a resolução dos seus problemas. Contudo, Nietzsche vislumbraria nesta Modernidade a continuação de um mesmo mal: a vida reactiva continua a triunfar; os valores que vêm de baixo continuam a vigorar; os antigos valores metafísicos e negadores da vida vulgarizam-se no cristianismo e nos ideais democráticos. Portanto, aquilo que Nietzsche preconiza é uma transvaloração dos valores, o que implica necessariamente a superação das valorações habituais, pois só assim seria possível a grandeza na terra.
Description: Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Filosofia Contemporânea
URI: http://hdl.handle.net/10362/7016
Appears in Collections:FCSH: DF - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Tese de Mestrado[1].pdf641.53 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE