DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Ciências da Educação >
FCSH: DCE - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/6965

Título: A auto-eficácia dos alunos no ensino básico e o fenómeno do bullying
Autor: Alves, Ana Maria Reis
Orientador: Nogueira, João
Palavras-chave: Bullying
Vítima
Agressor
Auto-eficácia
Auto-eficácia académica
Auto-eficácia social e emocional
Issue Date: Sep-2011
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: De acordo com esta investigação, que teve como proposta principal aprofundar a provável relação entre o comportamento agressivo entre pares (bullying) com auto-eficácia, foram propostas outras questões referentes aos objectivos específicos: elucidar a teoria da auto-eficácia e o bullying; perceber se existem relações entre o fenómeno bullying e auto-eficácia e verificar as possíveis diferenças de género com relação a auto-eficácia e o bullying. De seguida, foi delineado todo o percurso teórico, onde são expostos os pontos cruciais relativamente à fundamentação teórica dos principais conceitos e definições de bullying e de auto-eficácia. A amostra foi composta por 95 alunos de ambos os sexos, das turmas de 8º ano de duas escolas públicas do distrito de Lisboa. Esses participantes variam entre 13 e 16 anos. Os instrumentos utilizados foram dois questionários adaptados, respectivamente: o de bullying (vítima e agressor) de Pinheiro (2006), e o de auto-eficácia o SEQ-C ( Self-Efficacy Questionnaire for Children), Nogueira (2008). Na análise dos resultados, pode-se dizer que há uma relação significativa entre as escalas de auto-eficácia (académica, social e emocional) e o bullying. Em suma, esta pesquisa revela que ser vítima ou ser agressor, está relacionado à baixa auto-eficácia, é importante salientar, que supostamente as vítimas, na auto-eficácia académica, são mais eficazes academicamente em relação ao agressor. Em contrapartida, na auto-eficácia social, apresentam uma auto-eficácia baixa e provavelmente são inseguras e menos confiante nas relações interpessoais. Assim, pressupõe-se, que as vítimas são consideradas melhores alunos e com fortes crenças de auto-eficácia académica. Quanto aos agressores, estes associam-se a menor auto-eficácia académica, sendo, provavelmente, menos confiantes academicamente, o que leva a crer que a falta de confiança nas áreas académicas conduz a comportamentos agressivos. O agressor, na auto-eficácia social, tem maior segurança, em relação a vítima. No que se refere à auto-eficácia emocional, ambos, os actores sociais do bullying: vítima e agressor, partilham a mesma característica: são inseguros emocionalmente.
Descrição: Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação Especialização em Análise e Intervenção em Educação
URI: http://hdl.handle.net/10362/6965
Appears in Collections:FCSH: DCE - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Ana_Maria.pdf1,37 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia