DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) >
FCT Departamentos >
FCT: Departamento de Conservação e Restauro >
FCT: DCR - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/6926

Title: Estudo do efeito da adição de iões metálicos na corrosão de vidros potássicos
Authors: Vilarigues, Márcia Gomes
Advisor: Silva, Rui
Matos, António
Issue Date: 2008
Publisher: Faculdade de Ciências e Tecnologia
Abstract: Fragmentos de vitrais do séc. XV, provenientes do Mosteiro de Santa Maria da Vitória (Batalha), foram analisados pela primeira vez, de forma sistemática, de forma a obter-se um termo de referência para o estudo da corrosão de vidros potássicos antigos. Pare este estudo recorreu-se às espectroscopias de feixes de iões e de infravermelhos, tendo-se determinado que os vidros de base são formados por misturas de óxidos de Si, K, Ca, e de óxidos de Mn, Fe e Cu, usados como corantes, em composições que estão de acordo com o receituário da época. As grisalhas revelaram-se misturas de óxidos de Si e Pb, com elevadas concentrações de Fe e Cu, e também de Zn, cuja presença é notável uma vez que não se encontra habitualmente associado com aqueles metais. A camada de corrosão mostrou-se formada por carbonatos e oxalatos de Ca. Estabelecida a composição de referência, pretendeu-se estudar neste trabalho o efeito da introdução de elementos de coloração na deterioração de vidro potássico em presença de água, para compreender os mecanismos de corrosão dos vitrais medievais,essencial a um trabalho de conservação adequado. Assim, produziram-se vidros modelo com composições SiO2−CaO−K2O semelhantes às encontradas nos vitrais do Mosteiro da Batalha, a que foram adicionados óxidos de Cu, Fe ou Mn, isoladamente ou em combinação. Estes vidros foram sujeitos a ensaios de imersão em água de forma a simular ambientes de elevada humidade. A corrosão e a sua progressão foram caracterizadas por técnicas espectroscópicas de feixes de iões e de infravermelhos com transformada de Fourier, e por microscopia óptica, em combinação com a avaliação das alterações da solução aquosa, em particular o seu pH. As condições de testes exploradas, com e sem agitação do meio, conduziram a diferentes morfologias de superfície associadas com as diferentes taxas da corrosão. Mostra-se que se formam camadas superficiais de carbonato de Ca, e uma camada rica em Si nos períodos mais longos da imersão. Para além destas, encontram-se camadas enriquecidas nos elementos da transição, e uma corrosão inicial mais rápida nos vidros dopados com Cu. Este trabalho mostra que as condições experimentais escolhidas reproduzem bem a forma de corrosão encontrada nos vidros antigos de composição similar e sujeitos às condições atmosféricas ao longo de cinco séculos, e que o pH pode ser um bom parâmetro para estudar as cinéticas da corrosão em condições de humidade elevada.
Description: Dissertação apresentada para obtenção do Grau de Doutor em Conservação e Restauro, especialidade em Ciências da Conservação, pela Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia
URI: http://hdl.handle.net/10362/6926
Appears in Collections:FCT: DCR - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Vilarigues_2008.pdf8.39 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE