DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) >
FCT Departamentos >
FCT: Departamento de Ciências da Vida >
FCT: DCV - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/6588

Título: Impacto de antigénios glicosídicos na imunoterapia aplicada em cancro de bexiga
Autor: Silva, Mariana Araújo Alves Martins da
Orientador: Videira, Paula
Palavras-chave: Cancro de bexiga não-músculo-invasivo
Bacillus Calmette Guérin (BCG)
Glicosilação
Antigénio sialil-Tn (sTn)
Células dendríticas (DCs)
Issue Date: 2011
Editora: Faculdade de Ciências e Tecnologia
Resumo: O cancro de bexiga não-músculo-invasivo é a neoplasia do tracto urinário mais frequente. A imunoterapia com bacillus Calmette-Guérin (BCG) constitui a terapia de eleição para esta patologia. Uma vez que o cancro está associado à alteração da glicosilação, o objectivo deste trabalho consistiu em avaliar o efeito de antigénios tumorais glicosídicos em células de cancro de bexiga nos mecanismos de actuação de BCG e na modulação da resposta imune. Para isso, a expressão de antigénios sialilados e/ou fucosilados, assim como das glicosiltransferases envolvidas nas suas sínteses, foi analisada em diferentes linhas celulares de cancro de bexiga. Depois de analisado o perfíl glicosídico, foram realizados ensaios de internalização e citotoxicidade celular. Verificou-se que a linha celular MCRpLenti.ST6GN1, que expressa a sialiltransferase ST6GalNAc-I, e consequentemente o antigénio sialil-Tn (sTn), apresenta uma maior capacidade para internalizar BCG do que o respectivo controlo. Comparando as percentagens de internalização obtidas para as diferentes linhas celulares e os respectivos efeitos citotóxicos, os nossos resultados indicam que a indução de morte das células de cancro de bexiga por BCG é paralela à capacidade destas células para internalizarem BCG. Foi também demonstrado, através de ensaios de internalização com diferentes estirpes de BCG, que o processo de internalização e de susceptibilidade é depende da estirpe de BCG. Finalmente, investigámos se o antigénio sTn nas células tumorais afecta a interacção/reconhecimento pelas células dendríticas (DCs). Observou-se que as DCs induzem a proliferação das células tumorais de uma forma independente do sTn. Verificou-se, através da análise da expressão de moléculas apresentadoras de antigénio, que o sTn parece induzir a repressão do processo de maturação das DCs e influencia o processo de fagocitose das células tumorais por estas. Conclui-se que o sTn modela a imunoterapia aplicada em cancro de bexiga, influenciando o mecanismo de acção do BCG e suprimindo a imunogenicidade das DCs.
Descrição: Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Genética Molecular
URI: http://hdl.handle.net/10362/6588
Appears in Collections:FCT: DCV - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Silva_2011.pdf2,02 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia