DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Ciências Musicais >
FCSH: DCM - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/6094

Title: Virtuosismo para instrumentário de sopro em Lisboa (1821-1870)
Authors: Pinto, Rui Magno da Silva
Advisor: Castro, Paulo Ferreira de
Keywords: Virtuosismo
Instrumentos de sopro
Topoi
Figuração
Issue Date: Oct-2010
Publisher: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Abstract: A presente dissertação discute a praxis virtuosística para instrumentos de sopro em Lisboa entre 1821 e 1870. É estabelecida uma periodização entre 1821-1834; 1834-1860 e 1860-1874; e 1874-1882. A classificação destas manifestações compreende a instituição definitiva, na década de 1840, do virtuosismo moderno em Lisboa. Esta alteração deveu-se à constituição de novos espaços de exibição – as sociedades amadores e profissionais (Academia Melpomenense, Orquestra dos Concertos Populares) e novos teatros – o consequente aumento das audiências, o início de um discurso entre o público e na imprensa periódica acerca dos virtuosi. O virtuosismo moderno lisbonense é contudo caracterizado pela minorização da competição entre intérpretes, por força do corporativismo e proteccionismo capacitados pela Irmandade de Santa Cecília, Montepio Filarmónico e Associação Música 24 de Junho. Esta característica é comprovada pela apresentação conjunta de virtuosi na interpretação de obras de conjunto e na composição e dedicatória de obras entre virtuosi. O estudo analítico do repertório virtuosístico visa evidenciar a alteração no uso de géneros clássicos – concerto e sonata – para estruturas formais mais livres – fantasia, danças estilizadas, peças vocais populares e de carácter, ocorrida, grosso modo, na década de 1840. A análise integra a discussão dos topoi utilizados, asseverando a utilização maioritária de style brillant, cantabile, estilos militar e de caça e danças. Os dois primeiros indicam o enfoque na exibição dos parâmetros técnico e expressivo do intérprete; o terceiro sugere o reflexo da conjuntura sócio-política da época; o quarto alude ao novo espaço de sociabilidade burguesa: o salão de baile. A análise da figuração confirma a existência de um número restrito de padrões de invenção, utilizados pelo instrumentário de sopro. É discutida a existência de discursos instrumentais idiomáticos. O intuito de equiparação do instrumentário ao canto sofre alterações devido, entre outros factores, ao estabelecimento de novas tipologias vocais.
Description: Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Ciências Musicais
URI: http://hdl.handle.net/10362/6094
Appears in Collections:FCSH: DCM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Rui Magno Pinto Dissertação.pdf7.64 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE