DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Ciências da Comunicação >
FCSH: DCC - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/5808

Título: Luz e arquitectura do espaço no filme. Imagem, memória e emoção na década da mente
Autor: Aparício, Maria Irene Ângelo
Orientador: Grilo, João Mário
Palavras-chave: Filme,
Luz
Espaço
Paisagem
Issue Date: May-2011
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: Esta dissertação é o resultado de uma investigação sobre o cinema de Michelangelo Antonioni (1912-2007), num quadro de análise que convoca conceitos relativos às temáticas da percepção e da cognição (e.g. imagem, visão, linguagem, memória, emoção, etc.), nomeadamente no que diz respeito à compreensão da dinâmica da luz e do espaço fílmico, quer num contexto de criação, quer no âmbito da recepção. A sistematização e a explicação das novas formas do cinema moderno permitem compreender o modo como o cinema em geral e, particularmente, a obra de Antonioni ultrapassam o domínio da técnica e da estética, para se aproximarem de uma concepção epistémica do filme, na configuração da luz e arquitectura do espaço cinematográfico. Num quadro de análise que tem por base os princípios da filmologia, partimos da hipótese de que o filme não é, somente, o resultado de uma técnica específica de mise en scène, que reenvia para uma interpretação diegética da realidade, mas constitui, essencialmente, uma forma imagética de pensar o mundo e o homem. No contexto específico da análise, os filmes de Antonioni, nomeadamente a “trilogia dos sentimentos”, a “trilogia americana” e as últimas obras, são objectos de estudo que revelam o pensamento, mas também a poesia, de um autor que desenha um retrato do homem moderno, num espaço de fronteira com a pósmodernidade, configurado pelos sinais de retorno do horizonte da tragédia. Os resultados da investigação e análise permitem refutar a tese mais comum que apresenta Michelangelo Antonioni como o “cineasta da incomunicabilidade”. Em contrapartida, é possível considerar as imagens fílmicas como reflexos da condição humana. Do ponto de vista da percepção evidenciamos, particularmente, os conceitos de visibilidade, invisibilidade e visualidade numa relação com a Pintura, a Paisagem, a Escrita, a Linguagem, a Memória e a Emoção que são, também, conceitos que se esboçam através de uma forma particular de criação, e que transformam as imagens plásticas de Antonioni em formas cognitivas de aproximação à realidade. A cor e a luz, mas também o movimento e a forma, são, deste modo, noções fundamentais para a compreensão de um cinema que parte da realidade concreta para a devolver, nos limites da abstracção.
Descrição: Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Doutor em Ciências da Comunicação, Especialidade de Cinema
URI: http://hdl.handle.net/10362/5808
Appears in Collections:FCSH: DCC - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Tese_Doutoramento_M_Irene_Aparício.pdf8,11 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia