DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Estudos Políticos >
FCSH: DEP - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/5773

Title: A diplomacia portuguesa no processo de autodeterminação timorense (evoluções entre 1974 e 1999)
Authors: Ramos, Flávio Daniel de Oliveira Araújo
Advisor: Oliveira, Pedro Aires
Keywords: Diplomacia
Portugal
Timor-Leste
Nações Unidas
Indonésia
Issue Date: Sep-2010
Publisher: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Abstract: A mudança de regime que ocorre em Portugal, em Abril de 1974, abre as portas à descolonização do império português. Em Timor, uma confluência de factores acaba por levar à sua invasão pela Indonésia em Dezembro de 1975. Impedida a conclusão do processo autodeterminativo, Lisboa apronta-se a denunciar a agressão de Jacarta, a internacionalizar a questão junto das Nações Unidas e a cortar relações com a Indonésia. Em 1976 é consagrado constitucionalmente o compromisso com a emancipação timorense. Segue-se um longo processo diplomático. Lisboa advoga estar a defender não só o interesse nacional e do povo timorense, como também princípios respeitantes a toda a sociedade internacional e em especial à ONU. Ao longo dos vinte e três anos que se seguem, a actuação da diplomacia portuguesa regista três momentos: 1) 1976-1982, com a entrega da questão às NU; 2) 1982-1986, período que regista um maior envolvimento português e o início do diálogo com Jacarta através dos bons ofícios do secretário-geral das Nações Unidas; 3) 1986-1999, quando se começam a reunir as condições que permitiriam potenciar a actuação portuguesa – maior estabilidade interna, adesão às Comunidades Europeias, abertura do território timorense ao exterior, mediatismo da visita papal a Díli. Beneficiando do momento político e do crescente consenso nacional, o Governo de Cavaco Silva arranca uma fase mais interventiva da diplomacia portuguesa, que combina a disponibilidade para dialogar sob a égide do secretário-geral, com uma activa campanha bilateral, multilateral e pública. A posição portuguesa beneficia dos inesperados factores que se sucedem na viragem da década de 1990 – queda do Muro de Berlim, massacre de Santa Cruz, emergência das novas tecnologias de informação e comunicação e das intervenções humanitárias, valorização dos ideais democráticos e dos direitos humanos – para ganhar ascendente e corroer apoios à Indonésia. Na contagem decrescente para o novo milénio, Ximenes Belo e Ramos Horta são laureados com o Prémio Nobel da Paz confirmando o reconhecimento internacional da luta maubere. Seguem-se as crises asiática e indonésia, que forçam o presidente Suharto a abandonar o poder em Jacarta e desbloqueiam a independência da República Democrática de Timor-Leste. A autodeterminação timorense resulta de uma feliz e ímpar convergência de factores, onde se destaca a luta e esperança do povo maubere, a mudança de regime em Jacarta e o crescente mediatismo da questão. Todavia, este trabalho defende que o contributo da diplomacia portuguesa está longe de ser irrelevante. Aproveita ainda para acompanhar evoluções no próprio corpo diplomático português ao longo dos vinte e cinco anos que correm desde a Revolução dos Cravos. Ao longo deste período, a diplomacia portuguesa parece querer ensaiar um discurso universalista, apostado na promoção do primado da Lei, dos direitos humanos e da defesa dos pequenos Estados.
Description: Dissertação de Mestrado em Ciência Política e Relações Internacionais especialização em Estudos Políticos de Área
URI: http://hdl.handle.net/10362/5773
Appears in Collections:FCSH: DEP - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
RAMOS.Flavio.2010.A Diplomacia Portuguesa no Processo de Autodeterminação Timorense.pdf1.03 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE