DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de Antropologia >
FCSH: DA - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/5125

Título: Reterritorialização. Home e fronteiras - recursos em prol de uma estratégia de inserção no país de acolhimento.
Autor: Leite, Maria José Peraboa
Orientador: Bastos, Susana Pereira
Palavras-chave: Home
Fronteiras
Narrativas de pertença
Espaço Territorializado
Reterritorialização
Issue Date: Sep-2009
Editora: Faculdade de Ciências Socias e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: O presente texto reflecte a relação entre a procura de uma nova “home” e a construção de fronteiras, como recursos de inserção, no processo de reterritorialização dos sujeitos no país de acolhimento. A reterritorialização é o processo de sedentarização dos sujeitos em mobilidade, que passa pela ocupação de um espaço – físico, geográfico, mas também construído social e subjectivamente – a partir do qual os sujeitos sediam a sua vida, reconstroem as suas identidades, as suas redes sociais, as suas actividades – profissionais, religiosas, artísticas, sociais, ou outras – no país de acolhimento. O conceito de “reterritorialização” é utilizado por Tololyan (2001), sobre o modo como algumas diásporas ou grupos diaspóricos escolhem um território, dentro do país de acolhimento para se juntarem aos seus familiares, grupos, compatriotas e aí se fixarem, constituindo uma expressiva minoria (ou maioria), a partir de onde podem iniciar as suas práticas ou actividades de grupo, como escolas, prática religiosa, estabelecimento de redes sociais, actividades económicas, práticas sociais de recordação e celebração, com vista à reprodução da cultura da diáspora a nível interno (Tololyan, 2001; Gilroy, 1994 e Safran 1991 em Mapril, 2002) e da delimitação do território para o exterior. Este processo pressupõe a utilização de um espaço territorializado, não só porque é apropriado e defendido (Hall, Edward 1966), mas também porque é um espaço delimitado, que os sujeitos particularizam (Paul-Levy, F. e M. Segaud, 1983 em Silvano, 2001) e que os particulariza num movimento de criação de vínculo mas também de construção de fronteiras e de diferenciação, com o(s) outro(s) que o delimitam, com vista à “manutenção e maximização relacional da auto-estima (ou do narcisismo) pessoal (Bastos, S. e J., 2002). Neste trabalho pretende-se analisar a relação entre “home” e fronteiras, no processo de inserção de imigrantes falantes de língua portuguesa, através da análise das narrativas de pertença de onze estudos de caso.
Descrição: Apresentação do Projecto de Dissertação Mestrado em Migrações, Minorias Étnicas e Transnacionalismo
URI: http://hdl.handle.net/10362/5125
Appears in Collections:FCSH: DA - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
mariajoseleite.pdf1,14 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia