DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Médicas (FCM) >
FCM Áreas de Ensino e Investigação >
FCM: Ciências Funcionais e Alvos Terapêuticos >
FCM: Fisiologia >
FCM: Fisiologia - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/4802

Title: Fast-to-fed shift in glucose homeostasis: clues to an earlier detection of human prediabetic states
Authors: Patarrão, Rita Susana Franco das Neves
Advisor: Macedo, Maria Paula
Keywords: Prediabetic State 
Diabetes Mellitus 
Blood Glucose-metabolism 
Homeostasis-physiology
Issue Date: 2010
Publisher: Faculdade de Ciências Médicas. Universidade Nova de Lisboa
Abstract: A acção da insulina está associada à libertação da substância hepática sensibilizadora da insulina (HISS), que aumenta o aporte de glucose periférico. No estado pós-prandial, a libertação da HISS é máxima, diminuindo com o período de jejum. O controlo prandial da acção da HISS é mediado pelo sistema parassimpático hepático/óxido nítrico (NO) e pelo glutationo (GSH) hepático. Os actuais métodos utilizados para avaliar a sensibilidade à insulina são realizados no estado de jejum. A presente dissertação destaca a hipótese de que o mecanismo dependente da HISS existe em humanos, e pode ser manipulado. Em humanos, uma robusta ferramenta para caracterizar a acção da insulina dependente da HISS, não só no estado de jejum, mas também após uma refeição, o teste rápido de sensibilidade à insulina (RIST), foi desenvolvido. O RIST pode ser realizado com reproductibilidade, e sem intra e intervariabilidade. A diminuição da sensibilidade à insulina observada no jejum é potenciada após uma refeição, e a administração de atropina, suprime este efeito. A inibição parcial da sensibilidade à insulina induzida pela refeição, é consistente com a hipótese de que um “sinal prandial” dependente do sistema parassimpático hepático é necessário para a libertação hepática da HISS. Quando voluntários magros e com excesso de peso foram submetidos a um período de 24h de jejum, a acção da insulina per se, foi similar em ambos os grupos estudados. Contudo, quando avaliados no estado pós-prandial, os resultados apresentados nesta dissertação mostraram que, a potenciação induzida pela refeição era inferior nos voluntários com excesso de peso, estando esta associada a uma alteração da componente da acção da insulina dependente da HISS. Estes resultados indicam a importância da avaliação da sensibilidade à insulina no estado pós-prandial, e sugerem também que este estado de pré-diabetes apenas pode ser detectado após a ingestão de uma refeição. Níveis elevados de glucagina estão associados à diabetes tipo 2. Sabendo que a glucagina leva a uma diminuição da síntese de GSH, e que o GSH é fundamental para a libertação da HISS, foi avaliado o efeito da glucagina na via da HISS. Em animais, tanto a administração de um análogo do cAMP, como de glucagina, produziram um decréscimo da sensibilidade à insulina, sendo este efeito dependente da dose. A resistência à insulina dependente da HISS observada aquando da administração de um inibidor do sintetase do NO, não se agravou com a posterior administração de glucagina. Estes resultados sugerem então que a glucagina induz um decréscimo da sensibilidade à insulina, sendo este dependente da via da HISS, e não por acção de outra via. Estas duas observações indicam que a glucagina, através da via de finalização do cAMP, leva à diminuição dos níveis hepáticos de GSH e, consequentemente, a uma alteração da via da HISS. Esta alteração poderá ser a responsável por um estado precoce de resistência à insulina.
Description: FCM: UC Bioquímica I - PhD Thesis
URI: http://hdl.handle.net/10362/4802
Appears in Collections:FCM: Fisiologia - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
PhD Thesis Rita Patarrão 16 Dez 2010 FCM - UNL.pdf2.64 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE