DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH Departamentos >
FCSH: Departamento de História >
FCSH: DH - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/4657

Título: Os Dízimos no Final do Antigo Regime: aspectos económicos e sociais (Minho, 1820-1834)
Autor: Alves, Daniel
Orientador: Silveira, Luís Nuno Espinha da
Palavras-chave: História
Igreja
Minho
Dízimos
Rendeiros
Século XIX
Issue Date: Dec-2001
Editora: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Resumo: O dízimo que encontramos no final do Antigo Regime é o resultado de uma longa evolução, através da qual o peso dos séculos, as transformações institucionais, económicas e sociais foram influindo em vários aspectos. Convém aqui caracterizar, em linhas gerais, essa prestação e a forma como ela era encarada nas vésperas da sua abolição, época que será objecto deste trabalho1. O dízimo representou em Portugal, ao longo dos tempos, na grande maioria dos casos, um valor de 10% sobre a produção agrícola e o trabalho humano2. Os chamados dízimos reais ou prediais cobravam-se dos mais variados produtos agrícolas. Os mistos eram constituídos pelo dízimo dos animais e dos produtos de origem animal. Havia ainda os dízimos pessoais ou conhecenças que recaíam sobre o fruto do trabalho humano, de várias profissões, como, por exemplo, “almocreves, notários, professores, médicos e advogados, etc.”3. A cobrança podia ser feita em géneros, em dinheiro ou mista (conjugando-se géneros e dinheiro). Na maioria dos casos a colecta era em géneros e apenas nos dízimos pessoais o dinheiro terá representado um papel relevante4. Os métodos dessa cobrança podiam ser dois: administração directa, quando os proprietários das dizimarias, através dos seus funcionários, de procuradores ou eles mesmos, faziam a recolha dos dízimos; arrendamento, quando essa colecta era contratada com um rendeiro, ficando este, através de um pagamento acordado, com o direito de proceder à cobrança. Neste caso eram feitos contratos verbais ou escritos (mais frequentes) onde se definiam as formas de pagamento e os direitos e garantias dos rendeiros e proprietários.
Descrição: Dissertação de Mestrado em História dos Séculos XIX-XX (secção do século XIX)
URI: http://hdl.handle.net/10362/4657
Appears in Collections:FCSH: DH - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
DanielAlves_Dizimos.pdf2,54 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia