DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) >
FCSH R&D Units >
FCSH: Centro de História da Cultura >
FCSH: CHC - Capítulo de livros nacionais >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/3992

Título: De Rousseau ao Imaginário da Revolução de 1802
Autor: Pina, Ana Maria Ferreira
Palavras-chave: Liberalismo
Vintismo
Imaginário
Issue Date: 1988
Editora: Instituto Nacional de Investigação Científica, Centro de História da Cultura da Universidade Nova de Lisboa
Relatório da Série N.º: N.3;
Resumo: Estudar Rousseau nas Cortes de 1820, detectar a sua presença e o seu impacto nos discursos dos que, nas eleições de Dezembro de 1820, são escolhidos para elaborar a Constituição da Nação Por­ tuguesa, começou por ser o «leit-motiv» deste trabalho. Em Rousseau descobrimos a diferença na escrita como na vida, assumida não apenas perante o modo de estar e de pensar do velho mundo, como perante o próprio universo vanguardista das luzes — o Rousseau do Discurso da Desigualdade, ou do Contrato SociaP; o Rousseau de Starobinski^ e de Baczko^. Sendo Rousseau, em França, desde 1789, objecto privilegiado de atenção por parte do movimento revolucionário, lançámos mão a estudos chave da historiografia deste período, desde os clássicos às obras mais recentes. Neste trajecto, começando por ir em busca de um conhecimento objectivo sobre a presença de Rousseau no processo revolucionário, acabámos por ser conduzidos a questões especificamente epistemológicas em torno do estudo de Rousseau na Revolução Francesa. Se para Georges Lefebvre e Albert Soboul, Rousseau —caso à parte na filosofia iluminista, pela sua vocação democrática — é o nome sonante, a fonte de influência mais vincada do pensar revolucionário, sobretudo na sua vertente jacobina; nas abordagens de F. Furet * ou de B. Baczko", reconhecendo-se embora, em Rousseau, um dos materiais culturais mais nutrientes da Revolução, põe-se a tônica na autonomia (ainda que relativa) do pensamento revolucionário face à herança de Rousseau, e das Luzes no seu conjunto, ao mesmo tempo que se expressa um distancia­ mento crítico em relação ao conceito de influência — enquanto tri­ butário da idéia de História como uma cadeia causai em que um fenômeno é o resultado necessário dos que o precedem— por esca­ motear a dimensão inovadora da ideologia revolucionária, inviabi­ lizando a compreensão desta, em si mesma, como totalidade.
Descrição: Cultura Moderna e Contemporânea, n.3
URI: http://hdl.handle.net/10362/3992
Appears in Collections:FCSH: CHC - Capítulo de livros nacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Cultura Moderna e Contemporanea 3.pdf14,1 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia