DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Médicas (FCM) >
FCM Áreas de Ensino e Investigação >
FCM: Ciências Funcionais e Alvos Terapêuticos >
FCM: Fisiopatologia >
FCM: Fisiopatologia - Artigos em revista nacional com arbitragem científica >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/3331

Título: Repercussões da estase pulmonar sobre os volumes, capacidades e débitos ventilatórios
Autor: Carmo, Miguel Mota
Rendas, António Bensabat
Ferreira, Teresa
Lousada, Nuno
Bárbara, Cristina
Correia, J. Martins
Neves, Paulo Roxo
Palavras-chave: Estase Pulmonar
Insuficiência Cardíca Esquerda
Estenose Mitral
Espirometria
Volumes e Capacidades Pulmonares
Issue Date: 1994
Editora: Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Resumo: Objectivo: Avaliar as repercussões da estase pulmonar sobre a função pulmonar. Concepção do estudo: Estudo prospectivo executado em doentes com falência ventricular esquerda ou estenose valvular mitral. Material e métodos: Estudaram-se 48 doentes internados por estase pulmonar resultante de falência ventricular esquerda ou barragem mitral. Todos os doentes foram submetidos durante o internamento a exame termodinâmico com catéter de Swan-Ganz e exame ecocardiográfico 48 horas antes das provas funcionais respiratórias,compostas por espirometria com débitos, volumes e capacidades pelo método da diluição de hélio, bem como caracterização da incapacidade funcional com o questionário do Medical Research Council e a classificação da NYHA. Correlacionaram-se os dados espirométricos com os dados clínicos. Resultados: Do ponto de vista cardiológico, os doentes apresentavam uma «pressão capilar pulmonar» média de 19,9 ± 8,6 mmHg, um índice cardíaco de 2,5±0,8 l/mln/m", uma dimensão telediastólica do ventrículo esquerdo de 65,9 ±10,1mm e uma telessistólica de 51,2 ± 12,2 mm com uma fracção de encurtamento de 21,8 ±9,5 %. Espirometricamente, apresentavam uma síndrome restritiva caracterizada por uma diminuição da capacidage pulmonar total de 71±14,4% do valor previsto (%vp), uma capacidade vital forçada de 69,8±20,5 % vp, um volume expiratório máximo no primeiro segundo de 64±21,8 %vp, com uma relação VEMS/CVF normal de 72,7±9,7%. Estes dados não se correlacionaram com os dados clínicos nem com os dados hemodinâmicos ou ecocardiográficos. Conclusão: Neste grupo de doentes, a estase pulmonar tem como consequência uma síndroma restritiva pulmonar, sendo a sua gravidade independente da duração da doença, do valor da «pressão capilar pulmonar» ou da função ventricular esquerda.
Descrição: Revista Portuguesa de Cardiologia, 1994, 13(10): 763-768.
URI: http://hdl.handle.net/10362/3331
ISSN: 0870-2551
Appears in Collections:FCM: Fisiopatologia - Artigos em revista nacional com arbitragem científica

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Rendas_1994_Repercussoes de estase pulmonar sobre volumes, capacidades e debitos ventilatorios.pdf250,96 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE