DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Médicas (FCM) >
FCM Áreas de Ensino e Investigação >
FCM: Ciências Funcionais e Alvos Terapêuticos >
FCM: Fisiopatologia >
FCM: Fisiopatologia - Artigos em revista nacional com arbitragem científica >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/3327

Title: Espirometria estática e dinâmica em mulheres dos 60 aos 85 anos
Authors: Rendas, António Bensabat
Gamboa, Teresa
Botelho, Maria Amália
Keywords: Idoso
Mulher
Medição dos volumes pulmonares
Débitos expiratórios forçados
Issue Date: 1992
Publisher: Sociedade Portuguesa de Pneumologia
Abstract: Com o objectivo de investigar as alterações da função ventilatória durante o envelhecimento, estudámos 46 mulheres com autonomia física, que nunca tinham fumado e sem antecedentes respiratórios. A espirometria incluíu a medição dos volumes e das capacidades pelo método do hélio em circuito fechado. Entre a 6ª e a 7ª décadas encontrámos uma redução da capacidade vital, dependente da diminuição simultânea dos volumes da reserva inspiratória e expiratória, acompanhada de uma tendência para a redução da capacidade pulmonar total e para o aumento do volume residual. Observámos também uma diminuição dos débitos expiratórios forçados com a idade. Os resultados que obtivémos foram semelhantes aos valores internacionais de referência. As alterações ventilatórias encontradas não reflectem uma limitação patológica do débito aéreo, mas sim a redução da tracção do parênquima pulmonar e também o aumento da rigidez da parede torácica e a diminuição da força que ocorrem durante o envelhecimento. (Discussão) Encontrámos uma redução da capacidade vital (CV) entre a 6ª e a 7ª décadas, causada por uma diminuição simultânea do volume de reserva inspiratória (VRI) e do volume de reserva expiratória (VRE). Em relação aos restantes parâmetros observámos uma tendência para o aumento do volume residual (VR) e para a redução da capacidade pulmonar total (CPT), sem variações da capacidade residual funcional (CRF), o que originou um aumento significativo dos índices volume residual-capacidade pulmonar total (VR/CPT) e capacidade residual funcional-capacidade pulmonar total (CRF/CPT), revelando a existência de maior volume de ar residual com a idade. Os resultados obtidos com a espirometria forçada foram semelhantes aos anteriormente descritos. (...) Quando comparámos a evolução dos parâmetros estáticos e dinâmicos nas duas décadas, verificámos que ao aumento dos índices VR/CPT e CRF/CPT com a idade não correspondeu uma diminuição do índice VEMS/CVF, o que pode significar que o aumento do ar residual ocorreu sem agravamento da limitação do débito aéreo. É provável que esta dissociação resulte do predomínio das alterações da parede torácica em relação às do parênquima pulmonar na população por nós estudada. Embora apenas de um modo qualitativo, comparámos o valor médio e o respectivo desvio-padrão de cada um dos parâmetros medidos com os valores previstos, obtidos a partir das equações de referência europeias. Para obter esses valores introduzimos os valores médios da idade e da altura da 6ª e 7ª décadas (quadro) em dois conjuntos de equações internacionais, e verificámos que eles não diferiam dos medidos em mais de um desvio-padrão. Em ambas as décadas verificámos que apenas os nossos valores da CV e do VRI eram mais elevados do que os previstos, enquanto os valores da CRF, VR e CPT eram sempre inferiores. Os valores previstos do VRE obtidos a partir das equações da ECCS/CECA foram superiores aos medidos, enquanto os valores previstos obtidos a partir da outra área de equações se aproximaram consideravelmente dos nossos. A proximidade dos resultados obtidos justifica a utilização dessas equações em estudos de espirometria estática efectuados na população idosa portuguesa.
Description: Arquivos da Sociedade Portuguesa de Patologia Respiratória. 1992; 9(4): 175-180
URI: http://hdl.handle.net/10362/3327
ISSN: 0870-6646
Appears in Collections:FCM: Fisiopatologia - Artigos em revista nacional com arbitragem científica

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Rendas_Espirometria estatica e dinamica em mulheres dos 60 aos 85 anos.pdf239.18 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE