DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências Médicas (FCM) >
FCM Áreas de Ensino e Investigação >
FCM: Ciências Funcionais e Alvos Terapêuticos >
FCM: Fisiopatologia >
FCM: Fisiopatologia - Artigos em revista nacional com arbitragem científica >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/2745

Title: Obstrução brônquica máxima induzida em crianças asmáticas: análise dos indicadores de susceptibilidade brônquica aumentada à metacolina
Authors: Gamboa, Teresa
Neuparth, Nuno
Pinto, José Rosado
Rendas, António Bensabat
Keywords: Asma
Curvas dose-resposta
Curvas de obstrução máxima
Hipersensibilidade brónquica
Hiperreactividade brónquica
Testes de provocação brônquica
Issue Date: 1997
Publisher: Sociedade Portuguesa de Pneumologia
Abstract: Neste trabalho, efectuaram-se testes de provocação brônquica máxima com metacolina em 17 crianças asmáticas, com dois dos métodos de administração de aerossóis mais frequentemente usados, dosimétrico e de volume corrente, com os objectivos de: I) avaliar a reprodutibilidade dos indicadores de susceptibilidade brônquica aumentada: P020/PC20 FEV15 declive da curva de dose-resposta (COR)e grau de redução máxima do FEV1(MFEV,) ou plateau; 2) verificar se a fórmula de cálculo do declive e a tilização de diferente numero de pontos se traduzem por valores semelhantes, para o que se compararam, na mesma COR, os declives calculados por regressão linear: entre si, em diferentes fases da curva de dose-resposta e também com os calculados pela fórmula simplificada de O'CONNOR; 3) determinar se o valor do declive de uma prova de obstrução máxima pode ser extrapolado a partir dos testes de provocação recomendados para a clíníca (que terminam imediatamente após o limiar de 20% de redução do FEV, ler sido atingido); e 4) comparar os declives e os valores do grau de obstrução máxima induzidos pelo método do dosimetro com os obtidos pelo método do volume corrente. Para esse efeito, administraram-se doses/concentrações crescentes de cloridrato de metacolina até se atingir um plateou (variação entre dois pontos consecutivos < 5%); ou uma redução > 50% do valor medido após inalação do solvente. A SaO2 foi medida em condições basais e 90 segundos após a inalação do solvente e de cada dose de metacolina, através de um oximetro de pulso. Não se observaram diferenças significativas entre os indicadores de susceptibilidade brônquica em dois testes realizados com 5 a 10 dias de intervalo, tanto para o método do dosimetro (n=6) como para o método do volume corrente (n=5), quer os PD20 e FEV1 quer os PC20 FEV1 encontravam-se dentro dos limites de reprodutibilidade recomendados e não se observaram diferenças significativas entre os declives qualquer que fosse o método de cálculo ou a fase da curva analisada. Por outro lado, encontraram-se diferenças significativas entre os declives calculados por regressão linear nas diferentes fases da COR. O mesmo se verificou em relação aos valores deste parâmetro determinados por fórmulas diferentes. Não se observaram diferenças entre os declives das CDR obtidas, no mesmo indivíduo, pelo método do dosimetro e pelo método do volume corrente. As variações da SaO2 durante as provas não excederam -7% do valor basal, sugerindo não terem existido repercussões significativas sobre a trocas gasosas, mmesmo com reduções do FEV1>50.
Description: Rev. Port. de Pneumologia. 1997,1:p. 5-37.
URI: http://hdl.handle.net/10362/2745
ISSN: 0873-2159
Appears in Collections:FCM: Fisiopatologia - Artigos em revista nacional com arbitragem científica

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Rendas 1997 Obstrucao bronquica.pdf5.57 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE