DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) >
FCT Departamentos >
FCT: Departamento de Química >
FCT: DQ - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/2454

Título: Biocombustível a partir de celulose – hidrogenação de isómeros da hidroximetilpiranona
Autor: Cordeiro, Andreia Filipa dos Santos
Orientador: Correia, Pedro
Issue Date: 2009
Editora: FCT - UNL
Resumo: O principal objectivo deste trabalho foi investigar as condições experimentais para a produção de um novo biocombustível a partir da celulose. Este biocombustível é constituído por isómeros do Metilpirano que foram obtidos através da hidrogenação de isómeros de Hidroximetilpiranona (HMP). A sua produção consiste primeiro na dissolução da celulose num líquido iónico. De seguida a celulose é hidrolisada em glucose e esta é desidratada em isómeros de Hidroximetilpiranona. Para a reacção de hidrogenação os isómeros de HMP são extraídos do líquido iónico com éter e depois hidrogenados num reactor Parr. Os diferentes aspectos estudados foram: a escolha do líquido iónico para dissolver e desidratar a celulose em glucose, que passou pelo Cloreto de N-metilimidazole, Sulfato de N-metilimidazole, Fosfato de N-metilimidazole e o Cloreto de N-metilpirrolidina; a escolha do catalisador, que não fosse desactivado pelo líquido iónico que foram o Paládio sobre carvão, o Paládio sobre Alumina e o Cromito de Cobre; o solvente para a extracção dos isómeros da HMP que foram os Éteres dibutílico, isopropílico e etílico; o consumo de Hidrogénio; a temperatura da reacção e o tempo de reacção. Para o estudo do comportamento químico da HMP foram usados como referências os compostos: Álcool Furfurílico e Furfural. As condições experimentais óptimas para a produção de isómeros do Metilpirano foram: o líquido iónico seleccionado foi o Cloreto de N-metilimidazole, o catalisador foi o Paládio sobre Alumina, o solvente foi o Éter etílico, a temperatura foi de 90ºC, o tempo de reacção foi de duas horas e a pressão foi 30 bar. A identificação do Metilpirano foi feita por análise do GC-MS, cujo fragmento maior foi de m/Z= 96 uma. Foi também estudado o aspecto energético do Metilpirano e comparado com outros biocombustíveis e verificou-se que para o Metilpirano a proporção de energia gasta/produzida era de 1:8,63, para o Biodiesel 1:4,75 e para o Bioetanol 1:1,5.
Descrição: Dissertação apresentada na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para obtenção do grau de Mestre em Engenharia Química e Bioquímica
URI: http://hdl.handle.net/10362/2454
Appears in Collections:FCT: DQ - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Cordeiro_2009.pdf5,11 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia