DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) >
FCT Departamentos >
FCT: Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente >
FCT: DCEA - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/2026

Title: Avaliação da estabilidade do composto pelo teste do auto-aquecimento
Authors: Teixeira, Cidália de Jesus Cachola
Advisor: Silveira, Ana
Issue Date: 2009
Publisher: FCT - UNL
Abstract: A presente dissertação teve como objectivo principal fazer uma análise crítica ao Teste do Auto-Aquecimento. Este objectivo divide-se em três objectivos secundários, nomeadamente(A) verificar se o teor em humidade (35%) é adequado na realização do teste, relacionandoo com o volume de espaços vazios (VEV), (B) investigar se ocorre um gradiente vertical de temperatura durante o teste e, (C) averiguar se existem condições limitantes de oxigénio, no interior da massa, durante o teste. Para tal usaram-se quatro amostras de composto com origens diferentes. Para o primeiro objectivo secundário (A) fez-se variar a humidade das amostras de composto, tendo-se determinado o respectivo VEV, então, concluiu-se que para compostos com massa volúmica do substrato(MVSubstrato) adequada (400 a 800 kg/m3) a humidade apropriada para a realização do teste é de 35%. No entanto, se for mantido um VEV acima de 30% poderá realizar-se o teste com amostras cuja humidade seja entre 35 e 45%. Em amostras de composto com MVSubstrato elevado o VEV para humidades acima de 30% é próximo de zero, pelo que a condição de 35% de humidade não é adequada para realizar o teste com este tipo de compostos. Relativamente ao segundo objectivo secundário (B) colocaram-se duas sondas de temperatura nos Dewar, a alturas diferentes. Concluiu-se que existe um ligeiro gradiente, em que a temperatura no fundo era superior à do meio do vaso. Para cumprir o terceiro objectivo secundário (C) mediu-se o oxigénio a diferentes alturas, no Dewar, durante a realização do Teste, e concluiu-se que quando as amostras são muito activas, pode verificar-se escassez de oxigénio, no fundo do vaso. Por fim, concluiu-se que é importante considerar a humidade como condição para a realização do Teste do Auto-Aquecimento, desde que se relacione este parâmetro com a estrutura do composto, ou seja, com a sua MVSubstrato. Palavras-chave: Teste do Auto-Aquecimento, Estabilidade, humidade, volume de espaços vazios e Oxigénio.
Description: Dissertação apresentada na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para a obtenção do grau de Mestre em Engenharia do Ambiente, Perfil Engenharia Sanitária
URI: http://hdl.handle.net/10362/2026
Appears in Collections:FCT: DCEA - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Teixeira_2009.pdf1.69 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
View Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Statistics  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE