DSpace UNL

RUN >
Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) >
FCT Departamentos >
FCT: Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente >
FCT: DCEA - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10362/2026

Título: Avaliação da estabilidade do composto pelo teste do auto-aquecimento
Autor: Teixeira, Cidália de Jesus Cachola
Orientador: Silveira, Ana
Issue Date: 2009
Editora: FCT - UNL
Resumo: A presente dissertação teve como objectivo principal fazer uma análise crítica ao Teste do Auto-Aquecimento. Este objectivo divide-se em três objectivos secundários, nomeadamente(A) verificar se o teor em humidade (35%) é adequado na realização do teste, relacionandoo com o volume de espaços vazios (VEV), (B) investigar se ocorre um gradiente vertical de temperatura durante o teste e, (C) averiguar se existem condições limitantes de oxigénio, no interior da massa, durante o teste. Para tal usaram-se quatro amostras de composto com origens diferentes. Para o primeiro objectivo secundário (A) fez-se variar a humidade das amostras de composto, tendo-se determinado o respectivo VEV, então, concluiu-se que para compostos com massa volúmica do substrato(MVSubstrato) adequada (400 a 800 kg/m3) a humidade apropriada para a realização do teste é de 35%. No entanto, se for mantido um VEV acima de 30% poderá realizar-se o teste com amostras cuja humidade seja entre 35 e 45%. Em amostras de composto com MVSubstrato elevado o VEV para humidades acima de 30% é próximo de zero, pelo que a condição de 35% de humidade não é adequada para realizar o teste com este tipo de compostos. Relativamente ao segundo objectivo secundário (B) colocaram-se duas sondas de temperatura nos Dewar, a alturas diferentes. Concluiu-se que existe um ligeiro gradiente, em que a temperatura no fundo era superior à do meio do vaso. Para cumprir o terceiro objectivo secundário (C) mediu-se o oxigénio a diferentes alturas, no Dewar, durante a realização do Teste, e concluiu-se que quando as amostras são muito activas, pode verificar-se escassez de oxigénio, no fundo do vaso. Por fim, concluiu-se que é importante considerar a humidade como condição para a realização do Teste do Auto-Aquecimento, desde que se relacione este parâmetro com a estrutura do composto, ou seja, com a sua MVSubstrato. Palavras-chave: Teste do Auto-Aquecimento, Estabilidade, humidade, volume de espaços vazios e Oxigénio.
Descrição: Dissertação apresentada na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para a obtenção do grau de Mestre em Engenharia do Ambiente, Perfil Engenharia Sanitária
URI: http://hdl.handle.net/10362/2026
Appears in Collections:FCT: DCEA - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Teixeira_2009.pdf1,69 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

Universidade Nova de Lisboa  - Feedback
Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE